Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

'Respeito ao cargo': Bolsonaro diz a aliados que não irá às manifestações do dia 26

Apoiadores do presidente devem sair às ruas de todas as capitais e, pelo menos, outras 30 cidades e no Distrito Federal


postado em 21/05/2019 15:50 / atualizado em 21/05/2019 16:15

Presidente Bolsonaro espera demonstrar 'respeito ao cargo e às responsabilidades' ao não ir a manifestações(foto: Sérgio Lima/AFP)
Presidente Bolsonaro espera demonstrar 'respeito ao cargo e às responsabilidades' ao não ir a manifestações (foto: Sérgio Lima/AFP)
O presidente Jair Bolsonaro afirmou a aliados, nesta terça-feira, 21, que não vai participar das manifestações convocadas para o próximo domingo, 26, em apoio ao seu mandato.

O presidente falou sobre o assunto com ministros durante a reunião do Conselho de Governo, no Palácio da Alvorada, pela manhã. Pessoas próximas afirmam que o objetivo é demonstrar "respeito pelo cargo e por suas responsabilidades".

A declaração ocorre em meio a discursos erráticos do presidente em relação ao Congresso. Um núcleo de fiéis apoiadores tem usado as redes sociais para pedir adesão popular aos atos pró-governo, mas a pauta gera divergências.

Há atos previstos em pelo menos 60 cidades, em todas as capitais e no Distrito Federal. Ainda que o objetivo central seja o apoio às pautas do Planalto como a Previdência, o pacote anticrime do ministro Sérgio Moro e a Medida Provisória 870 - que reorganiza a estrutura do governo e está sob ameaça -, alguns grupos defendem do enfrentamento ao Centrão à criação da CPI da Lava Toga, além do impeachment de ministros do Supremo como Alexandre de Moraes, Dias Toffoli e Gilmar Mendes.

Levantamento da reportagem nas redes dos 54 deputados do PSL identificou que pelo menos 19 fizeram convocações. Outros parlamentares destacaram nas redes a importância das pautas do governo no Congresso, mas não falaram explicitamente sobre os atos.

Dos quatro parlamentares do PSL no Senado, dois se manifestaram - Major Olímpio (SP) e Soraya Thronicke (MS). Flávio Bolsonaro (RJ) e Juíza Selma Arruda (MT) não fizeram publicações sobre o ato.


Publicidade