Publicidade

Estado de Minas

Júlio Delgado rebate Ciro: 'Não teve nenhum tipo de acordo espúrio'

O ex-líder do PSB na Câmara afirmou que a candidatura de Lacerda foi retirada por divergências partidárias


postado em 31/10/2018 14:08 / atualizado em 31/10/2018 14:43

Júlio Delgado afirmou que Ciro desconhece o que houve no PSB em Minas(foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)
Júlio Delgado afirmou que Ciro desconhece o que houve no PSB em Minas (foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)

O deputado federal Júlio Delgado (PSB/MG) negou nesta quarta-feira (31) que o PSB de Minas Gerais tenha se envolvido em um suposto acordo nacional com o PT para minar a candidatura do ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT) à Presidência da República. "No que concerne a Minas, posso dizer que não teve nenhum tipo de acordo espúrio", garantiu.

No entanto, ele reforçou as críticas do presidenciável aos líderes petistas e afirmou estar em conversas, que inculem o PDT, pela formação de uma oposição ao presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) que seja alternativa à hegemonia do PT.

“Na questão do PT, ele (Ciro) tem toda a razão nas críticas que faz. Tanto que estamos conversas com o partido dele, o PCdoB e outros independentes para formar um bloco de ação que tire essa questão do hegemonismo ou liderança do PT. Eles (PT) estão achando que os 47 milhões de votos foram para o Haddad (ex-prefeito Fernando Haddad, candidato derrotado a presidente) ou o PT, mas não. Quero crer que a maioria desses votos  foram muito mais por exclusão, contra o Bolsonaro, do que por opção”, disse o parlamentar.

O deputado do PSB lembrou que o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa, que julgou o mensalão petista, e o ex-procurador Rodrigo Janot, que conduziu a Lava-Jato, defenderam o voto em Haddad contra Bolsonaro.

Delgado disse ter apoiado Ciro Gomes e defendido a adesão da legenda ao nome do pedetista quando Barbosa, decidiu não disputar o pleito pelo PSB.

Divergências partidárias


Júlio Delgado afirmou que a desistência da candidatura de Lacerda ao governo de Minas teve outros motivos. Um deles, segundo o parlamentar, foi que o ex-prefeito “já não correspondia aos princípios partidários” do PSB.

“Ele (Lacerda) já não tinha alinhamento político e queria usar a sigla para disputar o estado, se reunia em Brasília com dissidentes do PSB e não com a bancada, se posicionava na Executiva contra posições nacionais. Já não apresentava aquilo que desejávamos no PSB há muito tempo”, afirmou Delgado.

Segundo o parlamentar mineiro, qualquer negociação espúria que possa ter havido em relação à candidatura de Ciro “não passou por Minas”.

Delgado afirmou que outro motivo da decisão de não lançar candidato a governador em Minas foi a escolha da coligação com o PT para disputar vagas na Câmara dos Deputados. Ainda segundo ele, a conquista de três cadeiras para o PSB mineiro mostra o êxito desta escolha. “O que importa para o partido sobreviver é o fundo partidário e o tempo de TV”, disse.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade