Publicidade

Estado de Minas

Dono de boate em BH é detido pela Lei Seca durante eleições

Outras 16 pessoas foram detidas por boca de urna, quebra de sigilo de voto e desacato em Minas


postado em 28/10/2018 16:40 / atualizado em 28/10/2018 18:43

O dono de uma boate foi detido no Bairro Funcionários, Região Centro-Sul de Belo Horizonte, após vender bebida alcoólica em seu comércio durante a manhã deste domingo de eleições.

A Polícia Militar (PM), com apoio de uma juíza, esteve no local onde o empresário fazia as vendas por volta das 9h, o estabelecimento foi fechado e o homem detido.

Outras 16 pessoas foram detidas em Minas Gerais até às 15h deste domingo em ocorrências relacionadas às eleições, conforme informações da Polícia Militar (PM).

Do total, houve 43 ocorrências registradas, sendo 17 pessoas detidas por crimes eleitorais.

Em Carbonita, no Vale do Mucuri, uma pessoa foi detida pela Lei Seca, e outras três em Lagoa da Prata, na Região Centro-Oeste do estado.

Uma pessoa foi detida por quebra de sigilo do voto em Betim, na Região Metropolitana, uma em Pirapora, Norte de Minas, uma em Sete Lagoas, na Região Central, e outra em Caratinga, no Vale do Rio Doce.

Em Espera Feliz, na Região da Mata, um casal foi detido por “promover desordem”, segundo informações da Polícia Militar.

O crime de boca de urna ainda persiste, mesmo em tempos de redes sociais. Na capital, um fiscal de local de votação foi detido por fazer propaganda política em uma zona eleitoral, no Bairro Padre Eustáquio, Região Noroeste. Uma pessoa também foi detida por cometer boca de urna em Iapu, no Vale do Rio Doce, uma em Cambuí, no Sul de Minas, e outra em Lagoa da Prata, na Região Centro-Oeste de Minas.

De acordo com a PM, outras três pessoas foram detidas no estado por desacato. Na capital, uma pessoa foi detida por desacato à uma juíza da zona Eleitoral. Em Lagoa da Prata, na Região Centro-Oeste, um homem foi detido com sinais de embriaguez, por desacato à um mesário. Em Raul Soares, na Região da Mata, outra pessoa foi detida por desacato à militares.

Houve ainda ocorrências sem prisão no interior do Estado. Em Josenópolis, Região Norte de Minas, um mesário não compareceu para trabalhar. Foi feito registro na PM. Em Ribeirão das Neves, na Grande BH, um eleitor chamou a polícia depois de afirmar que uma tarja preta apareceu na tela da urna eletrônica. Em Patos de Minas, material de propaganda política foi retirado da porta de escola.

Conforme o TRE, até às 16h30, 457 urnas haviam sido substituídas no Estado. Do total, 26 faziam parte de zonas eleitorais da capital.

Lei seca

A comercialização e distribuição de bebidas alcoólicas é proibida nos dias de eleições entre 6h e 18h, em todo o território mineiro. A norma está de acordo com publicação no Diário Oficial do Estado, em 05/10/2018, a Resolução Conjunta nº 06/2018, que trata da venda, distribuição e fornecimento de bebidas alcoólicas no dia da eleição em Minas Gerais. A norma foi assinada pela Secretaria de Estado de Segurança Pública, Secretaria de Estado de Administração Prisional, Polícia Civil de Minas Gerais, Polícia Militar de Minas Gerais e Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais.

A fiscalização e a vigilância para o cumprimento das determinações previstas na resolução conjunta são de responsabilidade das forças policiais. O cidadão pode fazer denúncias ligando para os telefones 190 e 181.
 
*Sob supervisão de Benny Cohen 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade