Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Meirelles defende digitalização do governo e cutuca Bolsonaro e Ciro

Meirelles, como os demais presidenciáveis no evento, participou de um bate papo de 20 minutos com apresentador da TV Globo Luciano Huck. Ele corrigiu o apresentador quando este o chamou de candidato do governo


postado em 07/08/2018 20:47 / atualizado em 07/08/2018 21:28

'Também trabalhei no governo Lula e também fui executivo na iniciativa privada', comentou. (foto: Ed Alves/CB)
'Também trabalhei no governo Lula e também fui executivo na iniciativa privada', comentou. (foto: Ed Alves/CB)
Fazendo eco aos candidatos que já haviam se apresentado no GovTech, evento que busca uma agenda digital para o setor público, o presidenciável do MDB, Henrique Meirelles, defendeu nesta terça-feira, 7, um governo totalmente digitalizado e uma identidade digital única para facilitar o acesso do cidadão aos serviços públicos.

"Você vai conhecer hoje o Meirelles 'geek'", disse o emedebista, usando a gíria em inglês para o aficionado em tecnologia. Meirelles contou então que ajudou a criar o primeiro banco totalmente digital dos Estados Unidos e também no Brasil, e que as passagens dele no Banco Central e Ministério da Fazenda também foram marcadas por medidas de digitalização.

"No meu tempo, na bolsa de valores, os operadores trabalhavam aos gritos, pareciam o Bolsonaro e o Ciro", ironizou, ao citar uma das transformações que aconteceram durante o mandato dele no BC. Atualmente, as operações da B3 são inteiramente digitais e não existe mais o pregão físico.

Meirelles, como os demais presidenciáveis no evento, participou de um bate papo de 20 minutos com apresentador da TV Globo Luciano Huck. Ele corrigiu o apresentador quando este o chamou de candidato do governo. "Primeiramente, não sou candidato do governo. Também trabalhei no governo Lula e também fui executivo na iniciativa privada", comentou.

Meirelles chegou com um certo atraso no evento. Aproveitando o tempo necessário para esperá-lo, Huck fez "propaganda" do Renova BR, grupo de renovação política do qual participa, e pediu apoio ao financiamento dos candidatos novos. "O sistema todo está construído para não se renovar. (Para mudar), escolham seus candidatos novos e façam suas doações", pediu.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade