Publicidade

Estado de Minas

Marun pede à PF investigação por 'vazamentos'


postado em 09/07/2018 20:36

Brasília, 09 - O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, anunciou que protocolou na Polícia Federal e na Procuradoria-Geral de República notícia-crime contra o vazamento de informações ocorrido última quinta-feira, 5, quando foi deflagrada a nova fase da Operação Registro Espúrio, que investiga suposta organização criminosa que cobrava pela emissão de registros de sindicatos no Ministério do Trabalho e que seu nome foi citado. O problema é que, no pedido apresentado pela Polícia Federal ao Supremo Tribunal Federal para a realização da nova operação, a PF também solicitou autorização para cumprir mandados de busca e apreensão em endereços de Marun. E é a este vazamento que o ministro se refere já que a busca em seu endereço não foi concretizado porque tanto o ministro relator do caso, Édson Fachin, quanto a PGR entenderam que não havia provas suficientes contra Marun e não autorizaram a operação contra ele. Por isso, Marun solicitou a abertura de inquérito policial tanto na PF, quanto na PGR para que a origem do vazamento seja descoberta.

"Não me conformo com essa afirmação de que é impossível se descobrir quem vaza.

Vazamentos são crimes e são crimes mais grave quando praticados ou no âmbito da PF, da PGR ou do STF e que merecem uma cuidadosa e atenciosa investigação", desabafou o ministro, ao acrescentar que espera que "em breve tempo" o vazamento "esteja elucidado". O ministro citou ainda que, na PF, lhe informaram que esta era "a primeira vez" que alguém toma uma atitude de criminalizar os vazamentos como essa, que classificou como "nefasta" e pediu "pressa" nas investigações.

Para o ministro, "essa prática do acusa e enxovalha para só depois saber se processa e julga tem de deixar de existir no Brasil e se meu pleito contribuir para que essa prática chegue ao fim, estarei muito confortável e muito feliz". Na quinta-feira passada, quando foi realizada a operação, Marun já havia anunciado a intenção de pedir a investigação em relação às notícias de que haveria buscas contra ele, que não foram autorizadas ou realizadas, e se disse vítima de uma vazamento "canalha". Na ocasião, o ministro explicou que, há 90 dias, recebeu um grupo de sindicalistas do Mato Grosso do Sul que tinham "demandas com relação à atividade sindical" e que pediu a uma assessora que acompanhasse os sindicalistas ao Ministério do Trabalho "para que fosse verificado ou não o atendimento das demandas", em um encaminhamento de demanda natural de sua função.

(Tânia Monteiro)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade