Publicidade

Estado de Minas

Em Mato Grosso, Alckmin volta a defender posse de armas em áreas agrícolas


postado em 06/07/2018 09:06

Cuiabá, 06 - Em jantar com lideranças do agronegócio de Mato Grosso nesta quinta-feira, 5, o ex-governador de São Paulo e pré-candidato à Presidência Geraldo Alckmin (PSDB) adotou um discurso forte na área da segurança pública e jurídica.

O tucano afirmou que, caso eleito, liberaria o porte e a posse de arma em áreas agrícolas. O objetivo seria reduzir as ameaças no ambiente produtivo. Outra medida citada por ele foi a criação de uma agência nacional de inteligência com especialistas em segurança para traçar estratégias de combate ao crime organizado.

Alckmin afirmou ainda que nos três primeiros meses de governo pretende aprovar quatro reformas: tributaria simplificada, previdenciária, política e do Estado. Usando como argumentos dados de sua administração quando foi governador de São Paulo, Alckmin fez um discurso otimista para provar a viabilidade de sua candidatura. Falou da redução da criminalidade, dos gastos do Estado e afirmou que sua experiência administrativa já foi comprovada.

O pré-candidato disse que seu compromisso seria a realização de um ajuste fiscal cuja meta é zerar o déficit primário. "É urgente, precisamos cortar, cortar como base para fazer o País voltar a crescer."

O tucano também defendeu as privatizações, a redução da máquina pública e disse que ao Estado compete "planejar, regular e fiscalizar". Sobre a reforma política, defendeu um número menor de legendas. "Hoje temos 28 partidos. Será que existem 28 ideologias?", questionou. "Existem pequenas e médias empresas mantidas pelo dinheiro público."

O jantar com o ex-governador reuniu cerca de 200 lideranças do agronegócio, da indústria e do comércio na sede da Associação Mato-grossense de Produtores de Algodão, além do governador Pedro Taques (PSDB), do senador Nilson Leitão e o produtor Erai Maggi, um dos maiores de algodão e soja do País.

(Fátima Lessa, especial para a AE)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade