Publicidade

Estado de Minas

CPI da Lava-Jato? Impedir? Que nada!


postado em 22/06/2018 12:00 / atualizado em 22/06/2018 10:20

(foto: Arte/Soraia Piva)
(foto: Arte/Soraia Piva)

Pode escrever. Haverá breaking news no dia em que o juiz Sérgio Moro for convocado. Quiçá até panelaço em protesto aos nobres deputados que tentam desqualificar a Operação Lava-Jato. Houve pedidos de retirada do requerimento que criava a CPI da Lava-Jato, mas não teve as assinaturas necessárias.

Como tudo na política tem que passar por Minas Gerais, o pedido para arquivar o requerimento contra a Lava-Jato foi do deputado Júlio Delgado (PSB-MG). A ementa da sua proposta era: “Requer a retirada de tramitação do Requerimento de Instalação de Comissão Parlamentar de Inquérito 43/2018 – com a finalidade de investigar as denúncias de irregularidades feitas contra Antônio Figueiredo Basto e outros, inclusive envolvendo escritórios de advocacia, ocorridas no âmbito de alguns processos de delação”.

A informação da própria Câmara dos Deputados parece até brincadeira e de mau gosto. Os signatários do pedido de retirada (que foi rejeitado) justificaram dizendo que havia insinuações na imprensa de que o objetivo da CPI seria “enfraquecer, desestruturar ou mesmo acabar com as investigações no âmbito da Operação Lava-Jato”.

Insinuações na imprensa? Faz de conta que não é para enfraquecer a Lava-Jato. Voltando ao requerimento rejeitado, “não pode a Operação Lava-Jato, iniciada no âmbito do Poder Judiciário, ser interrompida por qualquer ato do Legislativo”. Por causa disso, pode escrever. O Judiciário pode atropelar mais uma vez o Legislativo. Depois os nobres parlamentares reclamam...

Antes que falem em implicância, necessário registrar que o requerimento para a criação da CPI da Lava-Jato é do líder do PT, o nobre deputado Paulo Pimenta (RS). Óbvio que é retaliação por causa da condenação do ex-presidente Lula (PT) e mais uma forma de fazer o comercial dele até que a campanha eleitoral comece, mesmo que ele fique inelegível na hora H.

Para deixar claro, o senador Humberto Costa (PT-PE) esteve ontem na tribuna: “É importante que todos que pretendem disputar a eleição presidencial possam fazê-lo, porque a forma de superarmos a encruzilhada econômica, política e social que estamos vendo, com a retomada do processo democrático, é a realização de eleições livres”.

Percebeu o detalhe? Todos podem disputar a eleição presidencial, mas não citou Lula, pelo menos não na Agência Senado (“Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado”). Sendo assim, outro registro dela: “A situação é fruto do afastamento da ex-presidente da República Dilma Rousseff, num processo considerado por ele como um golpe”.

Cadê ele?
O deputado Henrique Fontana (PT-RS) passou recibo, depois de falar ao microfone entreguismo pra cá, entreguismo pra lá, aproveitou a caminhada para provocar: “Cadê o deputado Jair Bolsonaro (PSL-RJ)? Vem cá Bolsonaro votar, sim”. Já que era ao vivo e em cores na sessão da Petrobras e com direito a TV Câmara, vale perguntar: “Uai, está com tanto medo assim do Bolsonaro que nem está tão bem assim nas pesquisas?”. Filiado ao PT, Fontana foi vice-líder do partido várias vezes mesmo tendo cinco mandatos.

A propósito
O Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) anuncia, oficialmente, seu apoio à pré-candidatura de Antonio Anastasia (PSDB) ao Palácio da Liberdade, terça-feira agora. Com direito a evento para reunir “importantes lideranças políticas”, como ressaltou o presidente estadual do partido, deputado estadual Dilzon Melo. Uai, o presidente nacional não vem? É, talvez seja melhor mesmo não ter a presença de Roberto Jefferson, que dispensa maiores apresentações.

Name news
O título do site que você paga a conta era este: “ESTADÃO AGORA LANÇA FAKE NEWS PARA CRIAR CONFUSÃO ENTRE DILMA E PIMENTEL”. Só que tem um detalhe, diz ainda que o jornal “investe numa tentativa pueril de causar intrigas e confusão no PT de Minas, com uma reportagem falsificada sobre pretensa candidatura da ex-presidente Dilma Rousseff ao governo do estado como ‘plano B’ ao nome do governador Paulo Pimentel, que será o candidato do partido”. Então, não é fake news, é name news. Paulo Pimentel? Uai, confundir logo o Fernando, o grande amigo de Dilma?

Indisponível
“Segunda-feira, 25 de junho 2018. Plenário. Agenda não disponível para esta data.” Informação na Câmara dos Deputados ontem às 16h. Sendo assim, a coluna informa: a pauta inclui a análise dos destaques apresentados ao texto. Deputado experiente comenta: “Cuidar da eleição, na segunda-feira à tarde e terça-feira de manhã? Terá mesmo muita gente interessada”. Em temporada de reeleição, óbvio que os deputados vão preferir estar nas bases. Indisponíveis para ir a Brasília concluir o projeto da venda do pré-sal pela Petrobras.

Ô notícia boa
Já que a política com tanta corrupção nenhuma graça tem, uma boa notícia vem do Supremo Tribunal Federal (STF). Por unanimidade, decidiu em ação movida pela Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) liberar as sátiras, tornar mais engraçadas as campanhas contra os adversários. Ô notícia boa! Concordo em gênero e grau com o voto do relator Alexandre de Moraes: “Quem não quer ser criticado, quem não quer ser satirizado, que fique em casa, não seja candidato”.

PINGAFOGO

Já que falamos no Roberto Jefferson, o pivô do escândalo do mensalão, vale o registro de que, além dele, são investigados os deputados Jovair Arantes, também do PTB, e Paulinho da Força (Solidariedade). É o caso de vendas de registros sindicais.

A presença dos petebistas de todo o estado, e de outras importantes lideranças políticas, é garantida pelo presidente do partido em Minas, deputado estadual Dilzon Melo, que está otimista com o posicionamento do PTB.

Ainda sobre a nota Indisponível e a provável ausência de deputados para dar quórum na votação da venda do pré-sal da Petrobras: afinal, há prefeitos querendo ir no lugar deles para o Congresso.

E com acordo com o governo ou não, a questão envolvendo a Petrobras é assunto polêmico para ficar tratando. Melhor mudar de assunto nas bases eleitorais mesmo. Deixa Brasília pra lá.

Se a Argentina perde por 3 a 0 da Croácia e complica a classificação para seguir na Copa do Mundo, tudo passa por Minas de novo. Ídolo do Cruzeiro, Sorín foi pé-frio. Agora ele é comentarista na Rússia. Está lá.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade