Publicidade

Estado de Minas

Bolsonaro: até agora nenhum partido me procurou (para aliança), PSL está sozinho


postado em 18/06/2018 16:36

São Paulo, 18 - O deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ) deve ir para a disputa eleitoral sem o apoio formal de nenhum outro partido, segundo ele próprio declarou em entrevista coletiva nesta segunda-feira, 18. Após participar do Fórum Unica 2018, em São Paulo, o parlamentar afirmou que nenhuma legenda tem lhe procurado para compor uma chapa.

"Por enquanto nenhum, eu duvido que me procurem. Mas se quiserem me procurar na frente de vocês (jornalistas), eu posso fechar um acordo com qualquer partido", disse o deputado, respondendo em seguida que o PSL "está sozinho" nas eleições.

O parlamentar declarou ainda que seria um "esculacho" se o Supremo Tribunal Federal (STF) concedesse liberdade ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso em Curitiba e condenado na Operação Lava Jato. A Segunda Turma do STF deve julgar um novo pedido de liberdade da defesa do petista. "No meu entender, seria um esculacho da Justiça Brasileira colocar em liberdade o senhor Lula", disse Bolsonaro.

Reformas

Questionado sobre pautas econômicas, o parlamentar fluminense afirmou que teria votado contra a reforma da Previdência proposta pelo governo do presidente Michel Temer. O problema da proposta, segundo ele, é colocar mudanças como a idade mínima "de imediato" para regras em vigor há muito tempo. Ele afastou a possibilidade de defender uma reforma para os militares.

"Se vocês nos derem o direito de greve, sindicalização, hora extra, fundo de garantia, trabalho noturno, entre outros. Pode colocar o militar na Previdência", declarou. Perguntado sobre o regime militar, Bolsonaro disse que durante o governo militar a corrupção era menor. "Nenhum general saiu rico de lá."

Bolsonaro reforçou que votou favorável à reforma trabalhista e ao teto de gastos propostos pelo governo Temer. Ele também criticou a política de preços da Petrobras e disse que é necessário acabar com o "monopólio" da estatal, "abrindo geral" para que outras empresas explorem o petróleo no Brasil.

Impeachment

Durante palestra no fórum, Bolsonaro chegou a dizer que os militares ajudaram a garantir o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, em 2016. Ele afirmou que tem informações de que a presidente, na época, tinha rascunhado um decreto do estado de defesa no País e provocado reações no Exército.

Na versão de Bolsonaro, Dilma teria recebido informações do então ministro da Defesa, Aldo Rabelo, de que o Exército não aceitaria o suposto decreto planejado pelo governo. Segundo ele, "algo de anormal tinha que acontecer para ser decretado o estado de defesa" e o comandante da Força Nacional de Segurança teria pedido demissão no meio do processo de impeachment.

"Então no Exército, pelo que eu levantei, fiquei sabendo, o comandante não aceitaria o estado de defesa no Brasil artificial", comentou. O deputado não esclareceu, no entanto, como o Exército teria influenciado o impeachment nesse cenário.

(Daniel Weterman e Camila Turtelli)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade