Publicidade

Estado de Minas

Coluna do Baptista Chagas de Almeida


postado em 17/06/2018 12:00 / atualizado em 17/06/2018 12:37



O árbitro de vídeo nem é necessário

O radar informa: diante de seus problemas, voos em São Paulo foram suspensos ou cancelados nos aeroportos Viracopos, em Campinas, Guarulhos e Congonhas, na capital. Foi restabelecido, mas até a hora do almoço havia o gerúndio no meio do caminho, no meio do caminho tinha o “normalizando”.

Se teve desvio de um voo que vinha de Washington, capital dos Estados Unidos, e teve que pousar em Brasília, a capital federal, o melhor a fazer é ligar o radar político, já que ele anda determinando muito cuidado com as notícias de corrupção.

Que tal começar com o próprio presidente Michel Temer (MDB)? Afinal, a Polícia Federal (PF) pediu mais tempo com o objetivo de ouvir mais testemunhas. Basta? Tem também ex-presidente no meio do caminho e a cozinha do sítio em Atibaia, aquele que Lula não é dono.

A arquiteta Maria Cecília de Castro, ouvida pelo juiz Sérgio Moro, da Operação Lava-Jato da Polícia Federal (PF) em conjunto com o Ministério Público Federal (MPF), foi quem disse que dona Marisa não tinha gostado. Disse ainda que “quando cheguei lá e encontrei com ele (o empresário), ele ia apresentar e falou: ‘Vou te avisar que minha tia é a dona Marisa’. Eu falei: ‘Ah, não sabia disso’. ‘É só para você não estranhar muito, né?’”.

Se não é para estranhar, melhor mudar de assunto. Afinal, a política brasileira anda precisando mesmo é de um árbitro de vídeo, como o que ajudou a França a vencer o jogo contra a Austrália. Aliás, nem precisa. Já teve aquele famoso vídeo da mala de dinheiro de Rodrigo Rocha Loures e mais recentemente as malas de Geddel Vieira Lima. E o vídeo do depoimento da arquiteta do sítio de Atibaia também está no ar.

Por falar em vídeo, a queda de audiência na política nacional vai de mal a pior. Já foi registrado, mas não custa repetir. Se forem juntadas as respostas com votos brancos e nulos e não sabem ou ninguém, o índice chega a 65%. Isso mesmo. E não é a Copa do Mundo no meio do caminho, a pesquisa é anterior ao início da competição.

Se o argentino Messi perde pênalti no empate com a Islândia e Cristiano Ronaldo, de Portugal, faz três gols, um de pênalti, meio cavado, mas o zagueiro pôs o pé mesmo, o jeito é esperar pela estreia hoje do Brasil com o novo e ridículo visual meio louro de Neymar. Tomara que ele, o visual, dê sorte e a Seleção vença.

Se a política anda mais nos tribunais, quem sabe em campo alguma alegria a Copa do Mundo possa trazer, mesmo com toda a preguiça registrada nas pesquisas.

 

Ainda a Codemig
Sobre a operação financeira do governo de Minas, que pretende captar R$ 2 bilhões com a venda de debêntures à Codemig, a advogada Adriana Belli Pereira de Souza afirma em nota: “O que a lei estadual autoriza é a captação de recursos no mercado, e não o autofinanciamento do estado por meio da aniquilação de suas estatais”. Adriana é procuradora do deputado Gustavo Valadares (PSDB) na representação que tramita no Tribunal de Contas do Estado (TCE) contra a medida. O TCE suspendeu a autorização até a próxima quarta-feira, quando o assunto será analisado pelo pleno da corte.

Ilegalidades
Na nota, a advogada esclarece que “o valor da remuneração das debêntures emitidas pela MGI deve ser exequível e, principalmente, não se pode admitir que a própria Codemig adquira os títulos. O centro dos fatos é que a Codemig iria adquirir 100% dos títulos de crédito emitidos pela MGI. Daí derivam as ilegalidades narradas na representação, que, inclusive, foram, em análise preliminar, acatadas pelo órgão técnico do Tribunal de Contas”. Segundo ela, é “importante lembrar que Minas Gerais continuará existindo após as eleições”. E continua: “Este novo episódio nos faz lembrar de Paulo Pinheiro Chagas, que dizia: ‘Primeiro Minas, a política depois!’”.

 

Ele se ama
“Ele vai ficar chupando o dedo. O Pros não ficará com ele. Quem manda no Pros em Brasília, sou eu.” A frase é do senador Hélio José, dando um chega pra lá em Rodrigo Rollemberg (PSB), que queria o apoio dele para se reeleger governador do Distrito Federal este ano. O mais interessante, no entanto, é que, pelo jeito, o Hélio José não conseguiu mandar muito nos partidos em que já esteve. E a lista é grande: foi do PT, PSD, PMB, PMDB e PEN. Será que no Pros ele vai conseguir? Só tem um jeito: o melhor a fazer é esperar para ver e crer.

Famoso quem?
“PGR pede inclusão de Funaro em inquérito que investiga o presidente Michel Temer”, era o título de agência de notícias ontem. Além do presidente, são investigados Rodrigo Rocha Loures (MDB-PR), ex-assessor de Temer e ex-deputado federal, e Antônio Celso Grecco e Ricardo Conrado Mesquita, respectivamente, dono e diretor da Rodrimar. Será que Dilson Funaro, o criador do Plano Cruzado, ressuscitou? Que nada! O famoso “quem” é o corretor Lúcio Funaro e a notícia é o Decreto dos Portos e a prorrogação da concessão do de Santos, que pode chegar a 70 anos.

Dá exemplo
Agenda presidencial de amanhã: 10h, assume a Presidência da República. 11h, audiência com o governador do Pará, Simão Jatene. Às 14h30, audiência com o embaixador João Gomes Cravinho, da União Europeia, e a senhora Denise Dowling. Às 16h, audiência com a ministra Grace Maria Mendonça (foto), da Advocacia-Geral da União (AGU). É claro que se trata da ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF). Com Michel Temer na Argentina, e os presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado também viajando para não ficar inelegíveis, Cármen dá exemplo. Trabalha.

 

PingaFogo

Ainda faltam mais de 10 dias, mas como são os auditores fiscais federais agropecuários faz sentido avisar de uma vez. Eles farão mobilização nacional dia 29. Vão aproveitar para fazer reivindicações na véspera do aniversário da carreira.

Os fiscais querem concurso público, equiparação salarial com outras carreiras de auditoria e o pagamento do adicional de fronteira, já acordado com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). O detalhe: o acordo não foi cumprido.

 

“Hoje sou Messi, sou latino-americana, sou Argentina.” Manuela D’Ávila (PCdoB), em 13 de julho de 2014. “Gente, neste exato momento estou aqui com a Islândia contra a Argentina!” Manuela D’Ávila (foto) ontem. Já que deu empate, deixa pra lá!

A propósito, a criançada torce para o argentino Messi. O motivo é que não gostam mesmo é do Cristiano Ronaldo, mesmo com os três gols na estreia contra o Portugal. É isso mesmo. Acham o português antipático.

Bem, a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) deu um chega pra lá nos fiscais da Receita Federal e autorizou a administração pública a descontar os dias de paralisação deles. Se os fiscais agropecuários não leram a decisão... Fim!

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade