Publicidade

Estado de Minas

Coluna Baptista Chagas de Almeida


postado em 12/06/2018 12:00 / atualizado em 12/06/2018 08:34

(foto: Arte/Soraia Piva)
(foto: Arte/Soraia Piva)

O rumo de Mantega foi na PF e na Suíça

Ele não se recorda especificamente dos assuntos dessas reuniões, mas relatou alguns encontros com empresários que tinham como objetivo tratar dos rumos da economia, perspectivas de crescimento e saídas para a crise internacional.

Foi na Operação Bulish da Polícia Federal (PF), que começou há exato um ano. O registro da falta de memória é do ex-ministro Guido Mantega. Só que quem se lembrou e delatou foi o empresário Joesley Batista, da empresa JBS. Mantega até admitiu o encontro com ele, mas negou favorecer a empresa.

Já a PF fala em desvio de R$ 1,2 bilhão. Se o dinheiro foi parar em conta na Suíça que Mantega abriu, nada a acrescentar. Ele diz que o declarou à Receita Federal. É, pode ser. O agrado ao ex-ministro foi parcelado. Quanto a favorecer a JBS no comando do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o ex-ministro negou.

A visita foi de cortesia e olha que foi a primeira viagem internacional do presidente eleito do Paraguai, Mário Abdo Benítez, que esteve ontem com Michel Temer. E falou de construir pontes. Calma, são pontes mesmo, não uma ponte para esconder recursos públicos desviados. São duas sobre o Rio Paraguai e mais duas sobre o Rio Paraná.

O melhor então a fazer é registrar o que disse a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia. Aliás, não disse, perguntou: “Por que o Brasil é tantas vezes lembrado no mundo como um dos lugares em que a profissão de jornalista continua a ser tantas vezes agredida, vilipendiada?”.

Foi ontem, no “Seminário 30 anos Sem Censura: a Constituição de 1988 e a Liberdade de Imprensa”, promovido pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Cármen Lúcia acrescentou: “Talvez há 40 anos fosse impossível se cogitar um encontro como este”.

Bem, já que tem o seminário do CNJ, melhor continuar no Judiciário, embora não tenha entendido direito qual era a intenção dos advogados do ex-presidente Lula com a testemunha de defesa ao perguntarem: como recebe por suas palestras e como se dá a prestação de contas de seu instituto?.

Era defesa ou ataque, por causa do Instituto Lula? Só que FHC, macaco velho, se esquivou: “Tudo declarado e normal. Deus me livre que não seja”. O juiz Sérgio Moro também perguntou: “Alguma empresa reformou propriedade que utilizava? Uma reforma, por fora, algo assim?”. Depois de dizer que foi por meio de um agente, Fernando Henrique acrescentou: “Eu não tenho muita coisa a reformar, só minha cabeça mesmo”.

Ver para crer
Depois de desistir das candidaturas presidencial e do governo do Rio de Janeiro, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) faz o seu comercial. Diz que a “Copa do Mundo, para nossa felicidade, só tem um jogo durante a semana. A gente precisa continuar trabalhando e torcendo para que os jogos do Brasil na segunda fase sejam segunda, sexta e no fim de semana”. Quer mostrar serviço, mas tem ressalva: festas juninas. “Só vamos ter problema na última semana deste mês, que junta com a semana do são-joão, no Nordeste. Então, temos três semanas para trabalhar, há projetos na pauta”. Só na última? Mais um episódio da série “Acredite, se quiser”.

Chique, né?
Diante do tamanho da rejeição generalizada na política brasileira atualmente, tem um fenômeno no meio do caminho para a Rússia. Brilha até em solo russo! Melhor o próprio Ronaldo explicar: “Em três dias começa a Copa do Mundo – estarei no Estádio Luzhniki para a cerimônia de abertura ao lado de duas feras da música: @robbiewilliams e @aidagarifullina! #fifaworldcup. E é bilíngue: “Already in Russia! In three days the #WorldCup kicks-off – I’ll be at the Luzhniki Stadium for the Opening Ceremony together with international music stars @robbiewilliams and @aidagarifullina”. Será mesmo fenomenal.

Em tempo: “Gostaria de convidar os torcedores de futebol e fãs de música a compartilhar essa festa conosco na Rússia, no estádio, ou que sintonizem suas televisões um pouco antes para desfrutar desse espetáculo”. É Robin Williams avisando. E sobre Aidagari Fullina os adjetivos vão de voz melodiosa e afável para economizar e descrita pelo The Financial Times como uma “major new talent”. Nem precisa traduzir o talento dela, né?

Taxa de cartório
O Deputado Gilberto Abramo (PRB) é autor do Projeto de Lei 5.144/2018, que altera o artigo 50 da Lei 15.424, determinando que os valores constantes no texto e nas tabelas sobre as taxas de cartórios serão atualizados pela variação da Unidade Fiscal do Estado e desde que aprovados pela Assembleia Legislativa. A Corregedoria-Geral de Justiça deve publicar as respectivas tabelas sempre que ocorrerem alterações. Isso evitaria o aumento constante das taxas. Atualmente, elas são feitas pelo Tribunal de Justiça (TJ-MG), sem necessidade de aprovação da Assembleia.

Nos trilhos
Assim pretende colocar a Comissão Extraordinária Pró-Ferrovias Mineiras ao elaborar um estudo de viabilidade da exploração do transporte ferroviário de passageiros. A ideia é unir municípios e organizações civis para garantir a conservação e recuperação do patrimônio histórico, artístico e cultural ligado às ferrovias. O presidente da Assembleia, Adalclever Lopes (MDB), comanda o lançamento e quem vai presidir a comissão será o deputado João Leite (PSDB). A instalação está marcada para quinta-feira, com direito a sessão solene no Salão Nobre da Assembleia Legislativa (ALMG).

PINGAFOGO


A Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados aprovou ontem, em caráter conclusivo, projeto do deputado Beto Rosado (PP-RN) que obriga os estados a garantir segurança ao conselheiro tutelar para realizar suas atividades.

O relator na CCJ foi Patrus Ananias (PT-MG). Ele ressaltou que “ser conselheiro virou profissão de risco”. E citou a chacina de 2015 em Poção (PE), em que morreram três conselheiros tutelares da cidade e uma idosa.

“Fizemos o gesto. Se não surtiu efeito, não tem por que retirar a candidatura mais jovem da história, da única mulher dos partidos que denunciam o golpe. Não disputamos para crescer o partido.” Manuela D’Ávila, pré-candidata do PCdoB à Presidência.

Já também o pré-candidato à Presidência da República Guilherme Boulos (Psol) disse: “O Judiciário tem lado e tem posição e agora resolveu intervir no processo político e eleitoral”. Onde ele disse? Curitiba, sede da Operação Lava-Jato. Hummm!

Homenagem aos 28 anos da Associação Brasileira das Entidades Estaduais de Assistência Técnica e Extensão Rural, encerrada às 12h21. Homenagem aos 45 anos da Infraero, encerrada às 16h48. E mais nada no plenário da Câmara dos Deputados.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade