Publicidade

Estado de Minas

Nós brasileiros temos que ter orgulho das Forças Armadas neste momento, diz Ciro


postado em 29/05/2018 16:54

São Paulo, 29 - O ex-ministro e pré-candidato do PDT ao Palácio do Planalto, Ciro Gomes, fez uma defesa enfática das Forças Armadas, ao avaliar o comportamento da corporação diante da crise nos combustíveis. Ciro disse que as Forças Armadas têm demonstrado um comportamento exemplar, com um "profissionalismo muito respeitável".

"Nós brasileiros temos que ter orgulho do comportamento das Forças Armadas neste momento. Embora tenham sido vulgarmente chamadas para enfrentar de forma marquetológica, sem planejamento, sem orçamento, o drama da segurança pública no Rio de Janeiro, e sido chamadas agora para reprimir os trabalhadores e caminhoneiros do Brasil, têm conseguido, apesar de toda essa manipulação, se preservar."

Ciro disse não ver risco de um levante militar, mas ponderou que o Brasil vive neste momento uma espécie de golpe de Estado, que se dá pela via de um "soft golpe". "É um golpe ao século 21. Não é mais aquela sargentada como foi muitas vezes no passado do Brasil e do mundo", emendou.

O pedetista, entretanto, fez um paralelo entre os desafios vividos hoje no País ao período em que se configurou o golpe de 1964. O ex-ministro, inclusive, comparou políticos da atualidade a nomes que protagonizaram o golpe na época, citando nominalmente parlamentares como Renan Calheiros (MDB-AL), Eunício Oliveira (MDB-CE) e Rodrigo Maia (DEM-RJ).

"É bom lembrar que em 1964 também aconteceu coisa parecida. 64 stricto sensu, as pessoas não sabem, mas o Auro de Moura Andrade, que era o Renan Calheiros da época, o Eunício Oliveira da época, declarou vaga a Presidência, dizendo que o presidente havia ido embora do Brasil quando o presidente estava no Rio Grande do Sul. E, ao declarar vaga a Presidência, empossou o Ranieri Mazzilli, que era o Maia da época, presidente da Câmara", disse Ciro. "Foi uma noite que durou 21 anos."

Aliança

Ciro também reservou elogios ao PSB, com o qual vem tentando negociar uma aliança para a corrida presidencial deste ano. "A aliança que peço a Deus que me ajude a construir é com o PSB", disse o pedetista.

Questionado sobre se o protagonismo obtido pelo governador paulista Márcio França na crise dos combustíveis aumenta o passe do PSB nas negociações, Ciro engatou: "Estou vibrando com isso. Eu acabo de elogiá-lo duas vezes, porque ele está fazendo um belíssimo papel".

(Clarissa Oliveira, especial para AE)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade