Publicidade

Estado de Minas

Em sabatina, Alckmin de diz 'indignado' com acusações feitas contra ele


postado em 23/05/2018 11:54

São Paulo, 23 - O ex-governador Geraldo Alckmin, pré-candidato ao Planalto pelo PSDB, se disse "indignado" com as acusações contra ele sobre supostos recebimentos de caixa dois em campanhas eleitorais. O tucano é citado por delatores da construtora Odebrecht e recentemente foi mencionado por integrantes da concessionária CCR em casos de contribuições não oficiais em campanhas ao governo de São Paulo.

Em sabatina realizada pela

Folha de S.Paulo

,

UOL

e

SBT

, Alckmin procurou se diferenciar de outros políticos investigados e disse que na política não é "todo mundo igual", alegando não ter enriquecido nos cargos públicos que ocupou.

Com inquéritos abertos após a delação da Odebrecht em andamento na Justiça Eleitoral e no Ministério Público de São Paulo, Alckmin negou interferências no processo judicial. Ele criticou, no entanto, a abertura de uma investigação no âmbito civil em São Paulo. "Não tem nenhum problema, pode fazer as duas investigações", pontuou.

O tucano procurou desacreditar a revelação de que a concessionária CCR narrou ao MP de São Paulo suposto pagamento de R$ 5 milhões em caixa 2 para sua campanha em 2010. Alckmin argumentou que sua gestão agiu contra interesses da empresa ao rever contratos, baixar o preço dos pedágios e abrir concorrência para sistemas de cobrança automática nas praças. "Ninguém ajuda alguém que sabe de antemão que vai trabalhar contra seus interesses", afirmou.

O ex-governador disse que ele e seus advogados "não sabem" do que se trata a delação da CCR, apesar de ter sido relevada pela imprensa. "Precisa contar que milagre é esse."

Sobre seu cunhado Adhemar Ribeiro, apontado como arrecadador informal de suas campanhas, o tucano disse que ele participou apenas como "simpatizante do PSDB".

"Minhas campanhas foram feitas rigorosamente dentro da lei, sem nenhuma ostentação", alegou. "Eu me sinto indignado porque há uma tendência de defenestrar a política e dizer que todo mundo é igual, e não é", afirmou o tucano. Para ele é preciso diferenciar quem enriquece na política de quem "trabalha para o povo".

(Daniel Weterman)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade