Publicidade

Estado de Minas

Os jovens senadores têm muito a ensinar


postado em 15/05/2018 12:00 / atualizado em 15/05/2018 08:39

(foto: Arte/Soraia Piva)
(foto: Arte/Soraia Piva)

Os jovens senadores têm muito a ensinar

“Você está no Ensino Médio e quer um mandato de senador?” Resposta rápida: “Comece a escrever!” É assim o convite no site oficial do Senado. Melhor deixar claro de uma vez: “Para participar, estudantes do ensino médio devem escrever um texto sobre os 30 anos da Constituição Cidadã. Melhor redação de cada estado garante ao seu autor um mandato de uma semana no Senado, em novembro”.

A informação já basta, mas não custa dar mais um registro: “As 19.779 escolas públicas de ensino médio das redes estaduais e do Distrito Federal começam a receber, nesta semana, o material para participação no programa Jovem Senador 2018. Ao todo, serão distribuídos 20 mil kits que devem alcançar pelo menos 200 mil estudantes.

Sendo assim, quem merecia ler uma cartilha são os nobres senadores, eleitos ou reeleitos, tanto faz. Os estudantes não precisam de professores no plenário, muito provavelmente têm mais a ensinar do que aprender com os parlamentares.

Basta um exemplo: “Entre os direitos consagrados na Constituição federal está a educação. Por esse motivo, a Constituição Cidadã 30 anos depois é o tema do Programa Jovem Senador deste ano. Desde que foi criado, o projeto já mobilizou mais de um milhão de alunos, 32 mil professores e contabilizou mais de 503 mil redações”. Quanta imaginação teve o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE)!

Para ser justo, em temporada de Operação Lava-Jato e tantos políticos encrencados, Eunício nada mais tinha a dizer. A Constituição Cidadã está em vigor, mas ficou no papel, embora seja “seguramente a mais aparelhada do mundo, normativamente, no combate à corrupção. É a mais preocupada com probidade administrativa”. Para deixar claro de uma vez e não ser processado por apropriação indébita, a frase é do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ayres Britto.

Ex-presidente da República preso. Ex-presidente da Câmara dos Deputados preso. Ex-presidente do Senado processado em quase uma dúzia de ações por corrupção e por aí vai. Já bastam para economizar espaço.

Afinal, o ministro dos Transportes, Valter Casimiro Silveira, foi convidado para tratar da privatização dos aeroportos na Comissão de Turismo. Quando será, faço a menor ideia, convite não é convocação. Mas faz diferença nenhuma. De aeroporto, de preferência para voos internacionais para depositar dinheiro de corrupção em offshores, os parlamentares entendem mais do que o ministro.

Ficam sem?
Pode anotar. Vai demorar. A data do pleito, que será secreto, ainda não foi definida. Pelo regimento da Câmara dos Deputados, o prazo é de até cinco sessões deliberativas do plenário a partir da vacância do cargo. Sessões deliberativas são as que têm votações. Outro detalhe, leva uma pulga até a orelha. Com a morte do quarto-secretário da Câmara dos Deputados, Rômulo Gouveia (PSD-SP), será que seus colegas, se não elegeram o substituto, vão ficar sem o auxílio-moradia? É uma das atribuições da quarta secretaria disso cuidar.

Porcentagens
Mais da metade dos entrevistados considera a prisão justa (51%). E 49,9%, a mesma coisa na margem de erro, acham que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não vai conseguir disputar as eleições. Mesmo assim, 40,8% dos entrevistados acham que Lula “conseguirá participar do pleito de outubro”. E um percentual bem perto, que chega a 38,6%, consideraram a detenção do ex-presidente como injusta. Meio confuso este questionário... Melhor deixar para lá.

O gerúndio
Os dois órgãos comunicaram que já estão tomando as medidas necessárias. CBTU foi notificada pela Justiça da decisão, mas junto com a BHTrans para quem usa cartões eletrônicos (BHBUS e Ótimo), a alteração dependerá da atualização do sistema junto às operadoras que compõem o sistema de integração. É, até a hora do rush, nada de atualização. E olha que foi o próprio presidente da República quem avisou o autor da ação para impedir o aumento. Isso mesmo, Michel Temer ligou pessoalmente para o deputado Fábio Ramalho (MDB-MG) para avisá-lo da suspensão do aumento, depois da “cobrança” feita pela bancada mineira.

“Crowdfunding”
Chique, né? A notícia é quentinha, entrou hoje em vigor o “crowdfunding” e já pode ser divulgada. Quem permitiu foi o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em resposta a questionamento do senador Paulo Paim (PT-RS). Para deixar claro, trata-se de prática de obter um grande número de pessoas e cada uma delas fornecer pequenas quantias de dinheiro para financiar um projeto de negócios, na maioria das vezes, pela internet. Detalhe: os valores podem ser publicados em redes sociais, mas voto não pode pedir.

A polícia foi lá

Câmara homenageia Polícia Militar do Distrito Federal (foto). Homenagem foi feita em sessão solene realizada nesta segunda-feira. A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara dos Deputados aprovou proposta que prevê o fim da prisão disciplinar para policiais militares e bombeiros do Distrito Federal. É aquela que teve como relator o deputado federal mineiro Subtenente Gonzaga (PDT). Bem, já que se é que crime organizado, o plenário, óbvio, deputados quase não tinha. Com os policiais lá, melhor prevenir.

 

PingaFogo

É, o PSD precisa se benzer. Depois da morte de Rômulo Gouveia (PSD-SP), o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) nem respeitou o luto do colega de partido deputado João Rodrigues (PSD-SC).

Ele vai perder os privilégios de parlamentar, depois de cumprido o prazo de três meses na cadeia. Já Rodrigo Maia quando perguntado sobre quanto Rodrigues recebeu, perdeu as estribeiras: “Acha que eu sou diretor administrativo da Câmara? ” Pano rápido!

O ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes insiste em soltar encrencados na Justiça. E o Ministério Público Federal não desiste, insiste. Voltou a pedir a prisão do ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza. Se ele apontado como operador do PSDB...

Será a primeira ação da Lava-Jato que será julgada no STF e pode condenar mesmo quem tem foro privilegiado. Trata-se do deputado federal Nelson Meurer (PP-PR). Bem, melhor esperar, será na segunda turma do Supremo, aqueça que costuma ser boazinha.

Enfim, se teve convocação – calma gente, nada a ver com convocação extraordinária no Congresso – é da Seleção Brasileira mesmo que vai à Rússia, o melhor esperar para entrar hoje de novo em campo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade