Publicidade

Estado de Minas

Após fala de general, chefes dos três Poderes defendem a democracia


postado em 05/04/2018 07:48

Brasília, 05 - Um dia depois de o comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, dizer que repudia a impunidade e "se mantém atento às suas missões institucionais", os presidentes da República, do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Congresso fizeram nesta quarta-feira, 4, a defesa da Constituição, da democracia e da autonomia da Justiça no País.

Em cerimônia pela manhã no Palácio do Planalto, o presidente Michel Temer afirmou que a democracia "é o melhor dos regimes" e que ele é "quase um escravo" do texto constitucional. "A democracia é o melhor dos regimes. Não é uma democracia simplesmente construída por pessoas, é a democracia construída pela ordem jurídica, a democracia construída pela soberania popular, a democracia que está esculpida, escrita na Constituição Federal", afirmou o presidente.

O evento presidido por Temer marcou a sanção da lei que flexibiliza o horário de transmissão da Voz do Brasil. Em nenhum momento, ele fez menção à manifestação divulgada pelo comandante do Exército.

Temer, que é advogado, usou expressões em latim e em boa parte do discurso referiu-se ao texto constitucional. "Eu sou um quase escravo do texto da Constituição brasileira, eu acho que o que dá estabilidade ao País é o cumprimento rigoroso daquilo que a soberania popular produziu ao criar o Estado brasileiro. Toda vez que eu pratico um gesto governativo eu tenho em mente o norte que me dá a Constituição", disse.

Em mensagem no Twitter, Villas Bôas disse que o Exército compartilha o "anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição". O texto saiu na véspera do julgamento do habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Supremo. Em nota, o Exército informou nesta quarta que o general Eduardo Villas Bôas "é a autoridade responsável por expressar o posicionamento institucional da Força".

Uma referência direta por parte de Temer ao papel das Forças Armadas - mas não à fala de Villas Bôas - veio à tarde. Em reunião aberta dos conselhos da Sudam, Sudene e Sudeco, Temer defendeu o uso de tropas para ações de segurança nos Estados, como já acontece hoje no Rio de Janeiro, e disse que a criação do Ministério da Segurança era um pleito antigo que nunca havia sido atendido.

Cármen Lúcia

A presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, também usou tom semelhante ao defender o trabalho da Corte e dizer que ela cumpre de "maneira independente e soberana" um papel "insubstituível na democracia".

"Declaro aberta a presente sessão ordinária do Supremo Tribunal Federal do Brasil, responsável pela guarda da Constituição e que atua no seu cumprimento de maneira independente e soberana", disse Cármen, ao iniciar o julgamento do habeas corpus de Lula.

Usualmente, Cármen inicia os trabalhos mencionando os processos para julgamento, sem fazer qualquer pronunciamento. A fala desta quarta foi entendida na Corte como uma reação aos comentários do comandante do Exército, embora ela também não tenha se referido diretamente ao episódio.

'Sem atalhos'

No Congresso, também houve apelos a favor da garantia da Constituição e da democracia. O presidente do Congresso e do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), usou sua conta pessoal no Twitter para pregar "serenidade".

"Nos momentos de tensão social e política, a missão dos líderes que têm responsabilidade institucional é transmitir serenidade à população. É garantir que a Constituição, as leis e a democracia serão respeitadas. Esse é o melhor caminho para o Brasil, sem atalhos."

O único a se referir ao comandante do Exército foi o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para quem Villas Bôas "não teve cuidado". "O ideal é que os comandantes, respeitado a hierarquia, tivessem um cuidado maior." As informações são do jornal

O Estado de S. Paulo.

(Breno Pires, Rafael Moraes Moura, Amanda Pupo, Teo Cury, Julia Lindner, Carla Araújo)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade