Publicidade

Estado de Minas

Lula derrotado nas urnas seria politicamente adequado, diz Temer em entrevista


postado em 31/01/2018 10:00 / atualizado em 31/01/2018 11:56

Brasília, 31 - O presidente Michel Temer (MDB) disse nesta quarta-feira que se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, 31, pudesse participar da eleição deste ano e fosse derrotado nas urnas, o resultado seria "politicamente adequado".

"Do ângulo jurídico, eu não dou um palpite sobre decisão judicial porque eu estaria invadindo competência de outro Poder e eu sou muito consciente da necessidade para que um Poder não invada a competência do outro. Agora sob o foco político, eu confesso que se ele pudesse participar das eleições, não sei se poderá, eu acho que a derrota dele politicamente seria mais útil do que uma derrota simplesmente de natureza judicial", afirmou em entrevista a Radio Metrópole, da Bahia.

Na entrevista, o presidente evitou falar sobre o candidato governista no pleito de 2018 e disse que só definiria isso no fim de maio. Ao ser questionado sobre o interesse do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, em concorrer, Temer exaltou o nome do auxiliar, mas evitou se posicionar em relação às eleições. "O Henrique Meirelles tem a melhor qualificação, mas neste momento, eu não quero avançar o sinal", disse.

O presidente reiterou acreditar que, nessa disputa, um candidato que quiser criticar o governo terá de dizer que "é contra o teto dos gastos, porque quero gastar à vontade", exemplificou. Temer disse ainda considerar como legado de seu governo nos palanques a reforma do ensino médio, a modernização trabalhista e a redução da inflação e dos juros.

Ao ser indagado sobre uma possível saída do DEM da base do governo, já que na Bahia o partido parece dar sinais de afastamento, o presidente disse que vê "com naturalidade" alguns partidos avaliarem continuar ou não na base aliada, mas reiterou acreditar que manterá o DEM ao seu lado. "Às vezes as pessoas não vão com a minha cara, mas é preciso analisar o que está sendo feito", disse, ressaltando acreditar que o DEM "vai continuar aliado do governo até o fim".
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade