Publicidade

Estado de Minas

Lupi diz que condenação de Lula não muda caminho: 'Ciro continua candidato'


postado em 24/01/2018 20:30

Brasília, 24 - O presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, avaliou nesta quarta-feira, 24, que a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) aumenta a chance de o petista não se viabilizar nas eleições deste ano. Para Lupi, o resultado dificultará o deferimento da candidatura de Lula pela Justiça Eleitoral e, com isso, o apoio político de outros partidos ao petista.

Em julgamento realizado nesta quarta-feira em Porto Alegre, o TRF-4 manteve, por 3 votos a 0, a condenação de Lula no caso do triplex no Guarujá (SP), decidida em julho de 2017 pelo juiz federal Sérgio Moro, que comanda a Operação Lava Jato na 1ª instância. Os desembargadores do tribunal não só mantiveram a condenação, como aumentaram a pena do ex-presidente para 12 anos e um mês - ante 9 anos e meio determinado por Moro.

"Lula poderá ter a solidariedade da população por ter sido condenado. Mas o maior risco eleitoral é a população mais humilde não votar nele por achar que o voto dela não vale. Ninguém gosta de jogar voto fora", afirmou o dirigente à reportagem. Para Lupi, essa dúvida da população, aliada à incerteza sobre se Lula conseguirá de fato o registro da candidatura, deve afastar partidos que pensavam em apoiá-lo no pleito, como o PR, que passarão a procurar outros candidatos.

Como foi condenado por unanimidade, o ex-presidente petista terá direito a menos recursos no TRF, o que aumenta as chances de ele ter o registro de candidatura rejeitado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com base na Lei da Ficha Limpa. Sancionada em 2010 pelo próprio Lula, essa lei impede pessoas condenadas por um tribunal colegiado de disputarem eleições.

Lupi acredita que, apesar da condenação, Lula insistirá na candidatura até o fim. "Acho que ele mais do que nunca continuará candidato. Ele não pode se esconder. Para se defender, ele tem que ser candidato", afirmou, ressaltando que considera o resultado do julgamento "injusto". "Não vejo base concreta, real para essa condenação", disse. "Agora, decisão da Justiça não se discute, se recorre", ponderou.

O presidente nacional do PDT ressaltou ainda que a condenação do ex-presidente petista pelo TRF não mudará o "caminho" do partido, que tem o ex-ministro Ciro Gomes como pré-candidato à Presidência da República. "Isso tudo não muda nosso caminho. O Ciro é candidato", afirmou. Segundo Lupi, o partido marcou para 8 de março o lançamento oficial da pré-candidatura de Ciro ao Palácio do Planalto.

(Igor Gadelha)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade