Publicidade

Estado de Minas

Coluna do Baptista Chagas de Almeida


postado em 22/05/2015 12:00 / atualizado em 22/05/2015 12:11

(foto: Arte/Soraia Piva)
(foto: Arte/Soraia Piva)

Fora, FMI. Ou que tal "o FMI é aqui"?


Não dá para resistir. Veja como o mundo dá voltas. Era para começar com o fato de a Operação Lava-Jato da Polícia Federal trabalhar para chegar ao ex-ministro José Dirceu, mas do Morro do Alemão, no Rio de Janeiro, veio a notícia mais inusitada. Foi lá que a diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, defendeu que o ajuste fiscal imposto pela presidente Dilma Rousseff (PT) é extremamente importante e necessário.

E vem a inevitável pergunta: onde estão os petistas de antigamente que pichavam muros e gritavam a todo pulmão nas passeatas “fora, FMI”? Não, Lagarde visitou o teleférico do Alemão acompanhada da ministra de Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, que foi fundadora do PT. E quem informa? O próprio site do ministério que ela comanda. Será que agora é “venha, FMI”?

Já que começamos com economia, quem fez um bom pé de meia como consultor foi o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu. E ele é alvo da Operação Lava-Jato. O delegado Igor Romário de Paula aponta Milton Pascowitch, preso ontem pela PF, como elo entre a Petrobras e o PT. E o caminho das pedras era o escritório de Dirceu, que tinha negócios com a Engevix, empresa investigada na Lava-Jato.

E como o Brasil, quando não é o país da piada pronta, torna-se o país da coincidência pronta, a investigação sobre o  José Dirceu abre a 13ª fase da operação. Décima terceira? 13? O número do PT? Mera coincidência. A defesa de Dirceu nega as acusações e alega que fez os esclarecimentos necessários à Polícia Federal. E presunção da inocência é direito de todos os cidadãos.

E, de volta à economia, são petistas os senadores que mais combatem as medidas de ajuste fiscal tomadas pela presidente Dilma. Ah! Então está explicado. Não precisa do “Fora, FMI”. O FMI é aqui e fica no principal gabinete do Palácio do Planalto, em Brasília.

Estilo Collor de ser


Do senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL), da tribuna do Senado, sobre o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que abriu investigação contra o ex-presidente: “Ele afirma que ninguém está acima dele ao ponto de declarar que, se tiver que ser investigado, ele mesmo se investiga. Nada disso em consonância com a discrição, o denodo e o estoicismo que o seu cargo requer. Pelo contrário, leva desesperança aos brasileiros que confiam na sobriedade do Ministério Público.” Eu, hein!

Só faltava esta

Agora não falta mais. Na CPI da Violência contra Jovens Negros, o deputado Jean Wyllys (Psol-RJ) declarou: “Há um discurso racista, muitas vezes promovido pela mídia, que passa a ideia de que as pessoas negras são mais perigosas do que as pessoas brancas”. Aí, o deputado Delegado Eder Mauro (PSD-PA) postou assim a fala de Wyllys nas redes sociais: “Pessoas negras e pobres são mais perigosas que as pessoas brancas”. E ainda disse não temer processo nem Conselho de Ética.

De novo, de novo!

Virou mania. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva participa hoje da abertura da etapa de São Paulo do 5º Congresso do PT. A militância debaterá conjuntura estadual e nacional, além de refletir sobre o momento atual e apresentar propostas que serão encaminhadas ao 5º Congresso do PT. Como agora é moda entre os petistas, hoje a atividade será aberta a filiados, simpatizantes e imprensa. Amanhã, no entanto, os debates serão restritos a delegados e convidados previamente inscritos. O PT censura de véspera e os petistas contam tudo no dia seguinte.

Assumiu mesmo

O ministro da Aviação, Eliseu Padilha (PMDB), que pode ser tratado como vice-ministro da Articulação Política, já que passa o tempo todo com o articulador de fato, o vice-presidente Michel Temer (PMDB), anda muito ocupado. Prova disso é que ele tinha encontro marcado com o deputado Fábio Ramalho (PV-MG), o Fabinho Liderança, às 11h. Ligou e passou a reunião para 14h30. Depois, para 15h30. E só às 16h telefonou para Fabinho dizendo que ele poderia ir. Onde? No quarto andar do Palácio do Planalto, na prática, seu novo gabinete.

Homenagem trabalhista

A corregedora do Tribunal Regional do Trabalho de Minas Gerais, desembargadora Denise Alves Horta, foi agraciada ontem, em Salvador, com a Comenda Ministro Coqueijo Costa, no Grau Grande Oficial, da Ordem do Mérito Judiciário do Trabalho da Bahia. Também foram homenageados, entre outros, o senador Aécio Neves (PSDB-MG), o ministro Álvaro Luiz Pinto, do Superior Tribunal Militar, e os desembargadores Altino Pedroso dos Santos, presidente do TRT-PR; Carlos Alberto Araújo Drummond, do TRT-RJ; e Augusto de Lima Bispo, do Tribunal de Justiça da Bahia.

pingafogo


É, pelo jeito, a ex-senadora e ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva vai, finalmente, conseguir emplacar o seu novo partido, a Rede Sustentabilidade. Marina disputou a Presidência da República pelo PSB, depois da morte de Eduardo Campos.

A Rede Sustentabilidade informa que conseguiu mais 53 mil assinaturas certificadas em cartórios, que, com as 442 mil que já tinha, chegam a 495 mil, cinco mil a mais que o exigido pela Lei Eleitoral.

Uma boa iniciativa. O Ministério Público do Trabalho e a Secretaria de Estado de Educação lançaram o projeto “MPT na Escola: de mãos dadas contra o trabalho infantil”.

As escolas têm até 31 de maio para aderir. O valor total do prêmio será de R$ 200 mil, sendo R$ 50 mil para o melhor trabalho de cada categoria, assim divididos: R$ 5 mil para o aluno, R$ 10 mil para o professor, R$ 10 mil para o coordenador e R$ 25 mil para a escola.

A presidente Dilma Rousseff (PT) garante que o ajuste fiscal não vai paralisar o Brasil. O pior é que ela tem razão. Não vai paralisar. Já paralisou a produção de veículos, já paralisou a geração de empregos e por aí vai...

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade