Publicidade

Estado de Minas

EQUILÍBRIO PARA VIDA PLENA

Livro reúne a experiência da paulistana Carmen Shanghai, especialista em medicina tradicional chinesa e terapias alternativas, para a busca do autoconhecimento em meio ao cotidiano estressante


postado em 02/08/2019 04:09


 
No mundo contemporâneo, as emoções e os sentimentos destrutivos minam, diariamente, a energia das pessoas. Imersas em um círculo vicioso, deixam-se consumir por padrões de comportamento, condicionamentos e reclamações que apenas alimentam o próprio ego, impedindo-as de vivenciar experiências verdadeiramente enriquecedoras. Envolvidas pela rotina diária, fazem sempre as mesmas coisas e esperam resultados diferentes. Em geral, desenvolvem reações autodestrutivas e não conseguem enxergar coisas óbvias, como o que realmente lhes faz bem.

Curiosa e sempre em busca de ferramentas para fortalecer sua própria essência, Carmen Shanghai já esteve em muitos países estudando os caminhos do autoconhecimento. Especializou-se em saúde integral e em medicina tradicional chinesa e foi ampliando sua busca pelo equilíbrio em frentes diversas, como a cabala, a alquimia, a simbologia, eneagrama e numerologia, além da formação em bioenergética reichiana.

Sua jornada lhe possibilitou aprender com mestres como o dalai-lama, Deepak Chopra, Amit Goswami, Geshe Lhakdor, Alexander Lowen, David Adams e Anthony Robbins. Carmen passou a aplicar seu conhecimento em cursos ministrados por várias cidades brasileiras, onde estimula as pessoas a aprender a estar presente, observar pensamentos condicionados, reconhecer os sentimentos e as reações deles na própria saúde. Após uma jornada de 30 anos, reúne agora sua experiência no livro Chega!!! – Autoconhecimento para uma vida plena. O título da obra, resumido numa palavra-desabafo com exclamações, pode a princípio levar o leitor a pensar que se trata de um trabalho motivacional, na linha das obras de autoajuda que se multiplicam nas prateleiras das livrarias. Mas não se trata disso.

A autora procura mostrar, de forma bem didática, como certos condicionamentos se refletem na nossa vida. “É possível entender principalmente como funcionam as regras para a sobrevivência nesse sistema que norteia o mundo, a visão sistêmica da realidade; e, principalmente, como se adaptar a ela”, explica. A partir deste conhecimento, Carmen Shanghai leva o leitor pelos caminhos do equilíbrio: o bem-estar do corpo, das emoções, do intelecto, da mente e do espírito. Encontrá-lo, de acordo com ela, é uma tarefa que requer reflexão. “Após uma jornada individual de conhecimento e de autoconhecimento, é possível desenvolver práticas simples e eficazes em busca da saúde integral”.

A emoção e a auto-observação são pilares importantes da medicina tradicional chinesa, que reúne dois mil anos de experiência e é tema de um capítulo do livro. Ao contrário do que ocorre na medicina alopática, esta busca trata a origem da doença para resolver o estresse do organismo – uma abordagem mais sistêmica e abrangente, que está ligada à circulação de energia pelo corpo. “Este conhecimento milenar nos oferece uma oportunidade singular: encontrar a chave para a autocura. (...) Essa chave é a auto-observação das doenças, das emoções e dos desequilíbrios que se manifestam em nosso corpo”, diz a autora, no encerramento do capítulo.

Carmen conta que, desde cedo, quis entender como funcionava tudo que acontecia ao seu redor, principalmente nas relações interpessoais. Aos poucos, foi percebendo que sua jornada é, na verdade, uma grande pesquisa humana, para entender não apenas a dinâmica do corpo, mas também como funcionam os sentimentos e os pensamentos e sua influência na trajetória de vida do indivíduo. A espiritualidade, segundo ela, pode ser grande amiga nesse processo. “É uma força que parte da tolerância, da confiança e da serenidade, para deixar de lado questões como julgamento, crítica e reclamação – precursores da raiva e do ódio, que, por sua vez, são os maiores vilões criadores de doenças”, explica.

EMOÇÕES DESTRUTIVAS

Para combater as emoções destrutivas, Carmem ensina que é preciso transformar sentimentos e atitudes em busca da plenitude: o seu ser integral. Dessa maneira, o 'eu' em 'ação' no mundo se firma em novos significados. É uma forma de vencer condicionamentos que, desde cedo, minam a energia, a força, e faz pessoas vulneráveis e fracas. Carmen gosta de citar uma pérola do conhecimento oriental: a energia segue o pensamento. Por isso, é muito importante a gente aprender a estar presente. “Onde está o seu corpo tem que estar também a sua emoção, e a sua psique. Então, é imprescindível que se tenha uma rotina de contato consigo mesmo. A atenção e o foco são o duto que carrega a nossa energia. Se o foco está em você, é pra lá que está indo a sua energia”.

De acordo com ela, o autoconhecimento e o fortalecimento da real individualidade são ferramentas fundamentais para que se possa evitar a individualidade do ego, que se deixa influenciar e contaminar por tudo que vem de fora. “O sofrimento mental é a repetição de padrões que comprometem a saúde do nosso corpo, porque, sem reflexão, o cérebro simplesmente reage de imediato a cada estímulo ou informação que vem de fora de nós, e o nosso organismo torna-se receptáculo e consequências dessa desconexão entre o que realmente somos e o que sabemos do que realmente somos”, ensina. A autora mostra que a transformação das emoções destrutivas pode e deve ser alcançada por meio desta força interior. “Há princípios e práticas que nos fortalecem imensamente, mas precisam ser trabalhados como músculos nas academias da vida”.

De acordo com ela, é preciso educar o nosso coração, observar os nossos sentimentos, as nossas emoções. Nos fortalecer para educar a nossa mente, o nosso cérebro. “O coração é capaz de aprender a ter sentimentos mais saudáveis, emoções mais positivas e construtivas. Mesmo que o nosso corpo esteja acostumado a vícios, podemos reeducá-lo sob o comando do coração e da mente. Já sabemos: o que vem de fora nos informa, mas o que nos altera é nosso, vem de dentro de nós e pode ser transformado na reflexão. E para refletir, precisamos de tempo e da consciência de estar presente, para que seja possível vislumbrar e acessar outras possibilidades para além de enganar a dor, tornar mais duradouros os bons momentos e encurtar ao máximo os momentos de sofrimento, que sempre vão existir.”

* Paulo Boa Nova é jornalista

CHEGA!!!
De Carmen Shanghai
Editora Scortecci
166 páginas
R$ 57




Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade