Continue lendo os seus conteúdos favoritos.
Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

MULHERES SEM FRONTEIRAS

Do movimento abolicionista nos EUA à triste história da menina afegã Malala, vítima de atentado porque queria estudar, livro em HQ conta 150 anos de luta feminista no mundo


postado em 05/04/2019 05:09



A capa de Mulheres na luta – 150 anos em busca de liberdade, igualdade e sororidade diz muito sobre a HQ das norueguesas Marta Breen e Jenny Jordahl. Um conjunto de mulheres vestidas com roupas de todas as épocas e das mais variadas origens culturais forma uma onda com braços erguidos em protesto. A imagem resume um pouco a obra que traça a história das lutas feministas desde o século 19 até os dias de hoje.

Dividida em capítulos, a HQ tem início com o movimento abolicionista norte-americano, seio da luta pelos direitos das mulheres. As discussões em torno do voto feminino trouxeram outras, como o direito à educação, a exercer uma profissão e a ganhar o próprio dinheiro, além do controle sobre o próprio corpo. Intercalado à sequência de fatos históricos, a autora dá destaque a algumas das personagens que estiveram à frente dos movimentos em todo o mundo.

As norte-americanas Elizabeth Cady Stanton e Lucretia Mott reivindicaram a redução das desigualdades entre homens e mulheres na época da abolição da escravidão. A poeta iraniana Táhirih foi a primeira mártir na história da luta feminista, executada em 1852 por querer estudar e por questionar dogmas religiosos que afastavam as mulheres das decisões centrais. Um capítulo destaca o movimento feminista no contexto socialista, com figuras como Clara Zetkin e Rosa Luxemburgo, e outro se concentra na luta pelo controle do próprio corpo. É, para as autoras, o momento mais importante do livro. “Acreditamos que o capítulo sobre a luta pela integridade do corpo feminino é o mais importante do livro porque esse tema, infelizmente, ainda é mais relevante hoje do que queríamos que fosse”, explica Marta.

Um capítulo também foi dedicado ao amor livre e à luta pela dignidade no reconhecimento das relações homossexuais. No fim da HQ, a história de Malala Yousafzai, a menina afegã vítima de um atentado porque queria estudar, encerra o livro. Mulheres na luta é a quinta parceria entre Marta Breen e a ilustradora Jenny Jordahl. No último livro, elas contaram a história de um grupo de pioneiras feministas da Noruega. “Agora sentimos que era hora de fazer a mesma coisa com um ângulo internacional. Nós sempre usamos humor para contar histórias. Acredito que essa é a chave para manter as pessoas interessadas’, garante Marta Breen.

OUTRAS HISTÓRIAS UNDO AFORA

Bitch Planet

De Kelly Sue DeConnick. A história se passa em cenário distópico no qual mulheres que não aceitam as regras são enviadas a uma prisão no espaço. A ideia da autora, a norte-americana Kelly Sue DeConnick, foi refletir sobre as questões da luta feminista em um universo de ficção científica. As ilustrações são de Valentine de Landro.

Frida Kahlo – Para que preciso de pés quando tenho asas para voar?

De Jean-Luc Cornette e Flore Balthazar. O livro é dedicado ao período em que Frida Kahlo viveu um romance extraconjugal com Trótski, que, exilado da então União Soviética, foi morar na casa da pintora, casada com Diego Rivera. Frida é um símbolo da luta feminista, e a HQ se concentra em uma das partes mais polêmicas de sua vida.

Tina Modotti –  Uma mulher no século 20

De Ángel de la Calle. Italiana nascida em uma família pobre, Tina Modotti foi uma revolucionária em vários sentidos. Fotógrafa e ativista, viveu muito tempo no México e é considerada uma das pioneiras da fotografia de vanguarda produzida na América Latina no início do século 20. Conviveu com a turma de Frida Kahlo e dos muralistas mexicanos e ajudou a projetar o trabalho de vários artistas.

Persépolis

De Marjane Satrapi. A história da jovem que questiona os limites de uma cultura repressora foi publicada originalmente em 2000, mas só chegou ao Brasil em 2007. A personagem vive no Irã e precisa lidar com todas as restrições à liberdade feminina que pontuam a sociedade iraniana. Marjane escreveu quatro volumes da HQ e muito do conteúdo é baseado em sua própria experiência.

As empoderadas

De Germana Viana. Três mulheres com superpoderes e origens diferentes se engajam em uma luta que vai além da banalidade e em busca de jxustiça. Criada pela brasileira Germana Viana, a HQ traz temas feministas e é publicada pelo Pagu Comics, selo destinado à publicação de quadrinhos feitos exclusivamente por mulheres.

MULHERES NA LUTA
. De Marta Breen e Jenny Jordahl
. Editora Seguinte
. 128 páginas
. R$ 64,80


Entrevista
Marta Breen/escritora


‘Nada veio de graça’
Autora da HQ Mulheres na luta alerta para risco de retrocesso caso o movimento feminista baixa a guarda

Por que decidiu fazer uma HQ sobre feminismo?

Eu, realmente, gosto muito de escrever e ler quadrinhos, especialmente se for sobre um tema sério. Acredito que esse formato facilita a leitura e faz com que o leitor se engaje na história. Mulheres na luta é um livro para qualquer um que queira aprender o máximo possível sobre a história do feminismo no menor tempo possível.

Por que é tão importante sempre falar de feminismo?


É muito importante estar ciente do movimento de libertação das mulheres. Algumas pessoas parecem acreditar que todos os nossos direitos nos foram simplesmente dados por homens ou por políticos, mas as mulheres tiveram que lutar muito por tudo isso. Nada veio de graça. Se começarmos a não nos importar com essas questões, corremos o risco de retrocessos. Quando se trata de direitos humanos numa escala internacional, muitas coisas parecem ir na direção errada. Por exemplo: o direito de aborto está sob pressão em vários locais do mundo. E é assustador ver o quanto líderes patriarcais têm assumido o poder sucessivamente em vários países. Isso está acontecendo na Rússia, na Polônia, na Hungria, na Turquia, nos Estados Unidos e no Brasil. É muito importante estar atento para esse desenvolvimento e trabalhar com todas essas questões.

Você escolheu juntar várias lutas históricas, como a escravidão, o direito de voto e os direitos humanos. Por quê?

Esses temas estão fortemente conectados. O movimento de libertação das mulheres realmente emergiu no movimento antiescravidão. Como Martin Luther King falava: “Ninguém está livre até que todos estejam livres”.

Como foi o processo de pesquisa?


Eu me concentrei no movimento organizado e na primeira “reunião oficial”, que ocorreu nos Estados Unidos por volta de 1850. Há milhares de histórias que poderíamos ter contado, mas tivemos que focar em alguns momentos definidores. Espero que outros autores se inspirem e escrevam livros similares com histórias de ângulos diferentes.


Publicidade