Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

OS ENGENHOS DE PEREC

O escritor mineiro Jacques Fux lança livro ensaístico para decifrar enigmas e traumas do autor de um dos romances mais intrigantes do século 20: A vida modo de usar


postado em 22/03/2019 05:09

Jacques Fux conta que o fascínio por Georges Perec veio ao compreender que a literatura poderia englobar matemática, psicanálise, jogos, história e outros saberes (foto: JAIR AMARAL/EM/D.A. PRESS)
Jacques Fux conta que o fascínio por Georges Perec veio ao compreender que a literatura poderia englobar matemática, psicanálise, jogos, história e outros saberes (foto: JAIR AMARAL/EM/D.A. PRESS)


Jacques Fux não conhecia a obra de Georges Perec (1936-1982) até que caiu em suas mãos o livro mais conhecido do francês, A vida modo de usar. “Este livro me deixou perplexo. O que era aquilo? Quais os enigmas e mistérios que se esconderiam por trás daquela trama?”, revela, lembrando que teve sensação parecida ao se deparar com a obra do argentino Jorge Luis Borges. “Compreendi que a literatura poderia – e deveria – englobar todos os saberes: matemática, psicanálise, jogos, história, testemunho, trauma, infância, guerra. E que Perec fazia isso com maestria”, detalha Fux. Vencedor do Prêmio São Paulo de Literatura de 2013 com Antiterapias e autor também de Brochadas: confissões sexuais de um jovem escritor, Meshugá: um romance sobre a loucura e Nobel, Fux enxerga semelhanças entre o projeto literário de Perec e a própria trajetória.

“Tomei consciência de que, para me tornar escritor, deveria decifrar seus truques e os artifícios de seus precursores. E é isso que tenho feito em meus livros de ficção, que são as minhas reescritas e recriações permanentes do jogo canônico-literário-biográfico”, acredita. Amanhã, Fux lança livro ensaístico sobre o francês. Com edição esmerada da Relicário, Georges Perec: a psicanálise nos jogos e traumas de uma criança em guerra será autografado no Centro Comunitário da Associação Israelita Brasileira (CCAIB). Confira, a seguir, entrevista com o autor mineiro.

De que forma Georges Perec estabeleceu uma conexão entre matemática e literatura?

O jogo indecifrável da vida pregou peças em Perec. Sua mãe morreu em Auschwitz e seu pai no front de guerra. Ele viveu só, angustiado e saudoso, buscando por alguma memória do convívio que teve com a família. A contingência imposta pela História diante do fracasso humano em conviver com o outro – o diferente, o estranho, o judeu – fez o autor pensar em um controle matemático da ficção. Se este mundo profano extinguiu o pai e a mãe de milhões de crianças – tantas vezes arrancadas de seus braços e queimadas em fornos concebidos pela racionalidade humana –, então o órfão-escritor conceberia um mundo que não repetisse essa barbárie. O jovem traumatizado passou a tentar controlar o incontrolável impondo regras em sua escrita. Perec criou um mundo particular e obsessivo para se esgueirar do trauma, porém, se deparou incessantemente com ele.

Como os traumas de infância influenciaram a obra do autor francês?


A perda e a incompreensão fizeram com que Perec criasse um mundo particular. Em seu livro La disparition, o autor-artífice escreve sem a letra mais frequente da língua francesa – são trezentas e tantas páginas sem a presença da letra ‘e’. Um projeto impossível? Louco? Talvez. Mas a pergunta que se coloca é a seguinte: qual o trauma a criança-criadora precisa enfrentar para poder caminhar?. Ele dizia que, ao se ver privado pelos nazistas do convívio com as pessoas mais importantes do mundo (père (pai) e mère (mãe)), teria que ser capaz de escrever um livro sem a letra mais importante do alfabeto. Pais e letras sempre presentes, embora faltantes. O trauma da guerra vívido e intenso nas palavras – e nos silêncios – da própria escritura.

O que você considera mais admirável nos jogos com a linguagem criados por Perec?


Em meu primeiro livro sobre o autor, Literatura e matemática: Jorge Luis Borges, Georges Perec e o OULIPO, explorei os argumentos e as ferramentas matemáticas que Perec utilizou ao longo da sua obra. No entanto, à época me fugiu a capacidade de enxergar que esse artifício obsessivo em Perec escondia um trauma maior. A matemática funcionou como uma fuga, uma tentativa insistente de elaboração, perlaboração e sublimação. Apesar do rigor e da frieza matemática, a literatura de Perec é delicada e sensível. Há um belíssimo projeto memorialístico e a invenção de um hipertexto em que o autor agrega o seu cânone literário. Acredito que esses sejam os maiores engenhos do escritor.

De que forma a literatura pode servir como sinal de alerta para evitar a repetição de atos de barbárie?


Textos escritos frente a atos de barbárie nos obrigam a refletir de forma pessoal e histórica. É fundamental testemunhar, cravar na pele e tatuar com sangue e letras os crimes, as perseguições e os genocídios para que algo semelhante não se repita no futuro – apesar do retorno ao discurso fascista e da reescrita do passado. É imprescindível enfrentar a memória, elucidar o trauma, expor as feridas doentes e dormentes e, só então, tentar compreender e educar para um novo caminho e uma nova possibilidade.

O projeto literário de Perec é relevante no século 21 ou reflete exclusivamente os temas, questões e impasses do século 20?


Perec é contemporâneo. Sua inventividade literária – o hipertexto canônico, o lado lúdico-sério dos jogos, o mistério e o abismo da posição do narrador – tem sido celebrada e descoberta. O seu projeto memorialístico e a sua tentativa de compreensão do passado histórico e pessoal estão em foco. Lugar de fala, do tempo, das falácias e do apagamento dos fatos históricos são temas que Perec tratou em seus livros e que nos saltam aos olhos neste momento.

Que livro você recomendaria como porta de entrada para a obra do francês?

W ou A memória da infância é o livro em que Perec discute, por meio de uma autobiografia ficcional, delicada e sensível, a relação de sua vida, como um filho do nazismo, e um mundo “imaginado” que permitiu democraticamente a ascensão de um governo genocida culminando com o Holocausto. Vale começar por ele.

Georges Perec merecia ter recebido o Nobel de Literatura? Consegue imaginar como seria o discurso de aceitação do prêmio?

Em meu último romance, Nobel (José Olympio, 2018), recebo “humildemente” a láurea maior e faço um discurso bem satírico expondo o lado perverso dos escritores e da literatura. Com certeza, ao pronunciar esse discurso, Perec estava ao meu lado brincando com citações e jogos de outros autores e livros, enganando e trapaceando o leitor e até o próprio narrador, enfrentando a dor e a angústia da memória, da história, da infância e da contingência da vida. A vida de Perec foi curta, mas o projeto literário foi bem inventivo. Ele mereceria um Nobel na ficção e seu discurso teria sido um belo quebra-cabeças – assim como o meu.

GEORGES PEREC: A PSICANÁLISE NOS JOGOS E TRAUMAS DE UMA CRIANÇA EM GUERRA

. De Jacques Fux
. Relicário
. 140 páginas
. R$ 38

Lançamento: amanhã, das 18h às 19h30, no Centro Comunitário da Associação Israelita Brasileira, Rua Rio Grande do Norte, 477, em Belo Horizonte, em bate-papo com Carlos Reis, que lança o livro Luz sobre o caos: Educação e Memória do Holocausto.

TRECHO


“As obras elaboradas em contextos de guerra ou durante crises sociais têm uma incumbência extra de refletir, pontuar e apontar caminhos para angústias, dúvidas e anseios que tomam conta dos indivíduos em tempos difíceis. Mais do que isso, a literatura e as outras manifestações artísticas devem servir como um sinal de alerta para que atos de barbárie não se repitam no futuro. Tendo em mente esse panorama, a empreitada dos autores compreende, além de seus interesses pessoais, a luta contra o esquecimento. A literatura deve auxiliar-nos a lembrar do que as gerações passadas foram capazes para, dessa maneira, podermos efetivamente evitar que catástrofes como a repressão, a intolerância e a perseguição política possam ainda eclodir. Neste sentido, a escrita pode ser considerada uma forma de resistência que engloba uma dimensão ética, enquanto manifestação de indignação, mesmo que esta ocorra de forma sutil, nas camadas subterrâneas do texto”.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade