Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

SUPERGANÂNCIA

A dramática história dos criadores do Super-Homem, que acaba de completar 80 anos, e a guerra judicial para ter seus direitos autorais reconhecidos são contadas em quadrinhos


postado em 22/02/2019 05:11


Ele surgiu como vilão que queria dominar o mundo com superpoderes a partir de um andarilho usado como cobaia por um professor, que deu a ele, diluído num café, um elemento químico descoberto num fragmento de meteorito. Sequestrou, matou, perdeu os superpoderes e voltou a ser miserável. Assim nasceu o Super-Homem há 80 anos, da imaginação do roteirista Jerry Siegel (1914-1996) e do desenhista Joe Shuster (1914-1992), ambos americanos. Ícone da cultura pop em quadrinhos, desenhos animados, séries de TV, filmes e produtos incontáveis, o pioneiro dos super-heróis da indústria norte-americana logo passou por mudanças radicais, que incluíram até viagem no tempo, até chegar ao seu perfil definitivo bem conhecido, disfarçado na pele do desajeitado repórter Clark Kent.

O que muitos fãs do Homem de Aço possivelmente não sabem, entretanto, é que por trás das aventuras fantásticas do personagem que abriu caminho para as revistas em quadrinhos nos EUA existe uma história triste e dramática. E é também em quadrinhos que ela é contada. Baseados em extensa documentação, o roteirista alemão Julian Voloj, especialista em graphic novels, e o ilustrador italiano Thomas Campi, premiado artista de HQs, lançaram, na comemoração da oitava década de criação do Super-Homem, o livro em quadrinhos A história de Joe Shuster – O artista por trás do Superman (The Joe Shuster story). Jerry Siegel e Joe Shuster tinham 24 anos em 1938 quando inventaram o super-herói entre muitos personagens menos famosos que criaram. Não imaginaram que ele seria a maior referência de sucesso em quadrinhos nos EUA e no mundo.

Depois do sucesso inicial do Super-Homem, publicado pela primeira na modesta revista Art Comics, Jerry e Joe, ingenuamente e sem vislumbrar o potencial do personagem às vésperas da Segunda Guerra Mundial num mundo faminto por heróis, venderam os direitos autorais por apenas US$ 130. Enquanto editores, produtores e suas companhias, detentores dos direitos do super-herói, ficaram milionários, Jerry e Joe tiveram uma vida de grande dificuldade financeira, principalmente Shuster, que chegou a passar fome. A HQ de Voloj e Campi reconta em traços primorosos uma das mais importantes guerras judiciais por direitos autorais da história.

Apenas em 1975, já aos 61 anos, Jerry e Joe, com a saúde abalada, conseguiram finalmente ser reconhecidos nos tribunais como criadores do Super-Homem. Isso depois que Jerry – ao descobrir que a editora National Periodical Publications receberia milhões de dólares pela produção do filme Superman para o cinema –, conseguiu sensibilizar produtores de HQs e parte da mídia com uma longa e dramática carta pública contando sua luta e a de seu parceiro pelo reconhecimento da paternidade do Super-Homem.

“A National Periodical Publications Inc. matou meus dias, assassinou minhas noites, sufocou minha felicidade, estrangulou minha carreira. Considero os executivos da National assassinos econômicos, monstros malucos por dinheiro. Joe está parcialmente cego. Minha saúde não é boa. Nós dois estamos com 61 anos. A maior parte das nossas vidas durante o grande sucesso do Superman foi passada na necessidade”, desabafou Jerry na extensa carta. A pressão funcionou e parte da mídia iniciou exitosa campanha publicitária pelo reconhecimento dos dois artistas que chegou aos tribunais. A Warner Bros concordou em dar crédito a Jerry e Joe todas as vezes que usasse o personagem, às vésperas de produzir o filme, lançado em 1978 e estrelado por Christopher Reeve (1952-2004). O livro de Voloj e Campi não revela, mas a DC Comics, também dona dos direitos, assinou acordo para remuneração vitalícia de US$ 20 mil por ano aos dois.

A graphic novel de Voloj e Campi conta e ilustra muito bem uma história de vida emocionante e revela o que muitas vezes passa despercebidodo grande público: a falta de reconhecimento de artistas mundo afora que veem suas criações engolidas pela ganância do lucro, neste caso superganância, que deixou milionária parte da indústria cinematográfica americana.

A história de Joe Shuster – O artista por trás do Superman
De Julian Voloj e Thomas Campi
Editora Aleph
192 páginas
R$ 59,90


Publicidade