Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

70 séculos para admirar

Livro conta a história da China em objetos, desde o Neolítico, há 7 mil anos, até hoje


postado em 15/02/2019 05:07

(foto: british museum)
(foto: british museum)


Em 1920, foram descobertos no Norte da China um crânio, uma mandíbula e dentes de um homem que caminhava ereto. Era o Homo erectus, morto ali há 500 mil anos e que logo foi apelidado de Homem de Pequim. Em 2012, arqueólogos encontraram numa caverna de Yuchanyan, no Sul do país, pedaços de panelas datados de 20 mil anos que passaram a ser consideradas as peças de cerâmica mais antigas de que se tem conhecimento no mundo. Eram vestígios de Homo sapiens, que plantou suas raízes e começou a povoar a região que se tornaria a maior civilização contínua do planeta e chegou ao século 21 como a segunda economia mundial e superpotência global.

É uma pequena peça de cerâmica, de 6 mil anos de idade, no formato de um rosto, encontrada nas proximidades do Rio Amarelo, no Norte de China, o marco de uma obra exuberante, de encher os olhos, literalmente. O artefato no formato de um rosto humano é do Neolítico ou Pedra Polida (10.000 - 3.000 a.C.), início da sedentarização e do surgimento da agricultura. China: uma história em objetos faz uma introdução a mais de 7 mil anos da história do gigante asiático, com cerca de 600 imagens em ordem cronológica: Os primórdios da China (5.000 - 221 a.C.), Impérios (221 a.C. -  960 d.C.), Imperadores, eruditos e comerciantes (960-1279), Mongóis e Ming (1271 - 1644), Qing: a última dinastia (1644 - 1911) e A China moderna (1911 - presente). São 70 séculos de história por meio de arte, artefatos, povos e lugares, desde o fabuloso Exército de terracota da tumba do primeiro imperador, Qin Shihuangdi (221 - 210 a.C.), até a cerâmica Ming, passando por artefatos em laca e pela caligrafia contemporânea.

O livro é da curadora da seção chinesa do British Museum, de Londres, Jessica Harrison-Hall, autora também de Ming: art, people and places (2014), Ming: 50 years that changed China (2014), Ming ceramics (2001) e Vietnam behind the lines: images from the war 1965-75 (2002). Ao traçar uma linha do tempo em imagens através de sete milênios, ela parte da cerâmica, artes decorativas, vestuário, movelaria e joalheira, além do teatro chinês. Revela uma cultura internacionalmente conectada e em constante reinterpretação do seu passado.

“É minha grande esperança que o leitor tome este livro introdutório como portal para o passado, admirando os objetos, tecidos e pinturas que o ilustram para guiar-se por aproximadamente 7 mil anos de história chinesa”, diz Jessica Harrison-Hall. “Praticamente desde seu princípio, a China tem sido multicultural e esteve vinculada ao exterior ao longo de sua história, em parte devido à atividade comercial. Produziu commodities para consumo estrangeiro – inicialmente tecidos, depois cerâmica e, mais tarde, chá. Esses bens eram vendidos ao largo do Oceano Índico e na África e depois chegaram à Europa e ao Novo Mundo”, afirma também a autora.

 

 


Publicidade