Publicidade

Estado de Minas

Importância da medicina preventiva


Biocor
Conteúdo patrocinado
Biocor
postado em 03/07/2018 16:56 / atualizado em 03/07/2018 17:23

Dr. Rogério Tavares é cardiologista do corpo clínico do Biocor Instituto(foto: Biocor Instituto/divulgação)
Dr. Rogério Tavares é cardiologista do corpo clínico do Biocor Instituto (foto: Biocor Instituto/divulgação)
Nos últimos anos, principalmente nas grandes cidades, tem se observado demanda crescente nos serviços de urgência e emergência. Segundo o especialista em cardiologia pela Sociedade Brasileira de Cardiologia, Dr. Rogério Tavares, médico cardiologista do corpo clínico do Biocor Instituto, fator preponderante que os profissionais de saúde observam, quase que invariavelmente, é que as pessoas não têm o hábito de fazer acompanhamento médico regular quando saudáveis. “Optam por procurar o médico somente quando adoecem e, quase sempre, precisam recorrer ao pronto-atendimento.”

A consulta médica de rotina, feita fora do contexto de urgência/emergência, permite ao médico assistente a realização de avaliação clínica detalhada, investigação dos fatores de risco de cada paciente, de sua história familiar e pessoal, além de avaliação criteriosa dos sintomas apresentados nos últimos meses, assim como a busca por sinais clínicos alterados, por meio do exame físico.

A medicina evoluiu muito nos últimos anos. Principalmente nas áreas de diagnóstico e de prevenção de doenças. Hoje, já existem protocolos bem estabelecidos para cada perfil de paciente.

Como exemplo, o médico cita que “conseguimos classificar um paciente diabético como de baixo, moderado, alto e muito alto risco para doenças cardiovasculares, como o AVC e o infarto. Para cada grupo haverá um conjunto de medidas medicamentosas e não medicamentosas, de acordo com cada perfil”.

A indicação é que os pacientes precisam não apenas manter a regularidade de suas consultas, mas, também, melhorar sua aderência a todo o plano terapêutico proposto pelo seu médico. Tão importante quanto o uso adequado dos medicamentos prescritos é a mudança de atitude, com adoção de hábitos de vida saudáveis, como o controle adequado da alimentação, a prática de atividades físicas regulares, o abandono do tabagismo e do uso abusivo de bebidas alcóolicas, dentre outros.

“Medicina preventiva de qualidade só consegue ser feita se houver sintonia entre médico e paciente, troca em que cada um assume suas responsabilidades. Cabe ao paciente manter aderência às consultas e propostas terapêuticas. Cabe ao médico assumir sua condição de protagonista, quer seja nas consultas de rotina, na construção de um histórico médico e de um plano preventivo/terapêutico, quer seja nos momentos de agravos à saúde, momento mais delicado e vulnerável do seu paciente”, afirma dr. Rogério da Silva.

Segundo ele, muitas vezes, uma simples orientação ou pequenas intervenções feitas pelo médico assistente são o suficiente para poupar o paciente da procura de serviço de pronto-atendimento, beneficiando aqueles que realmente necessitam de consulta de urgência. “Pacientes bem aderidos a médicos, que se preocupam com prevenção, dificilmente procuram serviços de urgência de forma desnecessária. Acredito que esse é o ponto principal a ser debatido e estimulado, ampliando cada vez mais essa relação do paciente com seu médico assistente”, conclui.

Fone: (31) 3289 5000


Publicidade