Publicidade

Estado de Minas

Que tal reduzir os riscos de se ter um AVC?

Neurologista explica quais são os tipos de acidente vascular cerebral


Biocor
Conteúdo patrocinado
Biocor
postado em 03/10/2016 15:26 / atualizado em 03/10/2016 15:46

(foto: Biocor Instituto/Divulgação )
(foto: Biocor Instituto/Divulgação )
Pois bem, estamos falando da doença que mais mata no Brasil e a principal causa de incapacidade em todo o mundo!!! O acidente vascular cerebral (AVC) acomete uma em cada 6 pessoas. Isso mesmo! De cada 6 pessoas no mundo, uma terá um AVC no decorrer da vida! Pelas elevadas incidência e prevalência, pela alta mortalidade e morbidade que carrega, é importante saber o que é um AVC, como identificá-lo e por fim, como podemos reduzir os riscos de termos um AVC.

Mas o que é o AVC?

Este é o termo usado para os problemas vasculares agudos que ocorrem no encéfalo. A maioria dos acidentes vasculares cerebrais são do tipo "isquêmico", ou seja , o fluxo de um vaso sanguíneo é interrompido, gerando a isquemia da região irrigada por ele. Cerca de 20% dos AVC's, porém, são do tipo hemorrágico, isto é, há uma ruptura de um vaso sanguíneo, gerando sangramento intracraniano.

Como saberei se estou diante de um AVC?
O cérebro comanda todas as ações do corpo e cada área cerebral tem uma função. Deste modo, dependendo da área onde o AVC ocorre, teremos determinado sintoma. Haverá a perda súbita de uma função neurológica, geralmente a perda na capacidade de falar, ou uma fraqueza de um braço e/ ou perna, assimetria facial, dentre outros!

Mas e a prevenção, como fica?
Importante inicialmente deixar claro que boa parte dos fatores de riscos são controláveis ou evitáveis, ou seja, o indivíduo tem a real possibilidade de prevenir a doença na maioria das vezes. O tabagismo, por exemplo, é um grande vilão e pode ser evitado, bem como o etilismo em excesso! Sedentarismo e obesidade podem ser combatidos com dieta e exercício físico! Hipertensão arterial e diabetes são doenças comuns, com alta prevalência na população, mas que podem ser controladas com visita frequente ao médico, uso correto das medicações e dieta adequada. O estresse também é um fator de risco e, na sociedade moderna, cada vez exerce mais efeito deletério na saúde física e psíquica. Algumas doenças cardíacas como as arritmias e a doença de Chagas também são causas de AVC e devem ser tratadas por médicos especializados.

Note que medidas simples como se alimentar adequadamente, fazer exercícios físicos, não fumar e não beber em excesso já resolvem boa parte dos problemas! Visita médica periódica e controle do estresse também são fundamentais.

Por fim, cabe ainda lembramos que os tratamentos vem melhorando a cada dia mas é necessário que o paciente chegue rápido ao hospital! Muitos procedimentos só podem ser realizados em poucas horas após o AVC e, portanto, o atraso na chegada inviabiliza muitos desses tratamentos. Aliás, quanto antes for tratada, mais chance a pessoa tem de se recuperar da doença, com poucas ou nenhuma sequela!! Portanto, o AVC deve ser tratado como emergência médica e um hospital com serviço de Neurologia deve ser procurado imediatamente caso algum dos sintomas sugestivos do acidente vascular cerebral ocorram.

Marco Túlio Tanure é neurologista do corpo clínico do Biocor Instituto, especialista em doenças cerebrovasculares e membro titular da Academia Brasileira de Neurologia

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade