Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Exemplo

Alysson Paulinelli para Prêmio Nobel


14/07/2021 04:00




Múcio Batista de Souza
Belo Horizonte    

“Dificilmente um brasileiro será indicado e ganhará um Prêmio Nobel de Literatura. Isso porque, no Brasil, a educação vem sofrendo, nas últimas sete décadas, um processo de destruição de seu alicerce, a língua pátria, tanto na metodologia de transmissão de conhecimento quanto ao não incentivo à leitura, que deveria ser uma das pautas mais importantes na grade escolar, ainda antes de a criança aprender a ler, quer dizer, quando somente pode apreciar as gravuras de um livrinho. É quando ouve uma história que nasce na criança um desejo imperceptível de também contar histórias, especialmente quando os pais (ou avós) têm o hábito de contar-lhes histórias antes de dormirem, o que é comum nos lares brasileiros. É da natureza das crianças gostarem de ouvir casos de aventuras acontecidas com outras fictícias crianças. Pois bem! Um Prêmio Nobel, nos campos das ciências físicas ou químicas, poderá caber a um brasileiro, pois são concedidos àqueles que acrescentam conhecimentos às citadas ciências, conhecimentos que poderão ser obtidos e ampliados em outros países, cujos recursos e avanços tecnológicos estão à frente daqueles que nossas instituições científicas podem oferecer. Mas a língua pátria somente poderá ser cultivada entre nós, brasileiros. Entretanto, vejamos a ‘mão do destino’: para muitos, o mais honroso Prêmio Nobel é o da Paz. E um brasileiro, Alysson Paolinelli, engenheiro-agrônomo, nascido nestas Minas Gerais, está indicado para receber esse grande Prêmio Nobel, exatamente quando nosso país é governado por um homem que prima por criar animosidade e disseminar o ódio entre os pacatos brasileiros. Não fosse a atuação do ministro Alysson Paulinelli, nos cinco anos em que esteve à frente do Ministério da Agricultura durante o governo do general Ernesto Geisel, o Brasil não estaria produzindo quase 400 milhões de toneladas de grãos, anualmente. Assim, enquanto o Dr. Alysson Paulinelli estará ao lado daqueles que receberam tão importante reconhecimento mundial pelas suas qualidades e atividades, o presidente Bolsonaro estará do lado negro da história do Brasil, ombreando tantos políticos denunciados e condenados por vergonhosa corrupção no Brasil.”

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade