Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas CONTAMINAÇÃO

Leitora defende a redução dos ônibus


12/01/2021 04:00

Mayra de Souza
Belo Horizonte 

"Na contramão da lógica e do bom senso, é prevista diminuição da oferta de ônibus a partir desta semana em Belo Horizonte. A medida é adotada concomitantemente ao fechamento dos serviços não essenciais. Os especialistas indicam que o ideal seria disponibilizar mais ofertas de transporte público, mais ônibus em circulação e diminuir o intervalo de espera. Dessa forma, os usuários seriam melhor distribuídos dentro dos ônibus e terminais de embarque, reduzindo a densidade de passageiros. Essas seriam as medidas ideais, tendo em vista que o risco de contaminação se reduz com o adequado distanciamento, mas estamos trilhando o caminho contrário. Cabe lembrar que Belo Horizonte possui a segunda tarifa de ônibus mais cara entre as capitais do país (R$ 4,50) e os usuários compartilham das expectativas de um melhor planejamento de redução de danos. Apesar da diminuição do número de pessoas circulando pela cidade, muitos usuários permanecem dependentes do transporte público, já que nem todos os trabalhadores puderam converter suas atividades em trabalho remoto e grande parte não possui veículo próprio para se locomover. Em consequência disso, ao longo de toda a pandemia o cenário recorrente foi o de lotação dos veículos, realidade que precisa mudar para diminuirmos as taxas de contaminação. Cidades de todo o mundo sofreram impactos na mobilidade causados pela pandemia e diversas foram as estratégias adotadas para tornar o transporte público mais seguro para os funcionários e indivíduos que o utilizam. Bogotá removeu elementos mais suscetíveis à contaminação por vírus nos ônibus, para facilitar a desinfecção. Em Lima, onde 75% dos residentes viajam de transporte público, o governo compensou as restrições de capacidade investindo em outras alternativas de mobilidade urbana. São exemplos que nos mostram que, com planejamento, é possível operar de forma que vise garantir a segurança e o bem-estar dos moradores da cidade de Belo Horizonte."

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade