Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas RIQUEZA

Dívidas de igrejas sem perdão


14/09/2020 04:00

Jeovah Ferreira
Taquari – DF 
 
"Quem nunca ouviu esta frase: 'quer ficar rico, crie uma igreja'. Não se pode negar que ainda há algumas denominações religiosas que não fogem do papel principal, semear a palavra de Deus, para o bem espiritual, ou seja, o Evangelho pregado com a finalidade de preparar o homem para alcançar a vida eterna. É um número pequeno. O que mais se vê hoje em dia são igrejas que pregam o evangelho direcionado para o material, prometendo prosperidade. E, com isso, lotam templos e salas de oração, onde incautos vão em busca de realizar o sonho de possuir carros, apartamentos, empresas, fazendas e tantos outros bens, e não se preocupam com as riquezas espirituais. Os pregadores usam de discursos que induzem os fiéis a acreditarem que conquistarão os seus intentos. Incentivam a não economizar nas ofertas, dizendo que aquele que não nega para Deus recebe inúmeras vezes mais a quantia ofertada. Pregam que é preciso saber esperar, isso para que o servo não venha a desanimar com o passar do tempo. O que tem de templos suntuosos e igrejinhas por aí, com a finalidade única de arrecadar, é inacreditável. Tosquiar as ovelhas para construir verdadeiros impérios, eis a questão. Pergunto: será que é justo o governo perdoar dívidas R$ 1 bi das igrejas? Caso seja concedido esse perdão, será um desrespeito com o contribuinte que trabalha 150 dias durante o ano só para pagar imposto e que todos os dias vê a ameaça de ser criado mais tributo. É o toma lá dá cá imperando no nosso Brasil. Veto e voto, duas palavras que estão atormentando a cabeça de alguns políticos. Dai a César o que é de César, resposta de Jesus a alguns fariseus e herodianos, sobre pagamento de tributo."

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade