Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas BRASIL

A impunidade dos corruptos e a Justiça


29/08/2020 04:00

Jeovah Ferreira
Taquari – DF

"Por que os corruptos não temem a Justiça? Darei o meu ponto de vista daqui a pouco. Vivemos um tempo extremamente doloroso. O número de mortos pela COVID-19, do mês de março para cá, já se aproxima de 120 mil.  A precariedade do nosso sistema de saúde, com certeza, contribui para que milhares de famílias chorem, hoje, a falta dos entes queridos. Quanta gente teve a vida interrompida por falta de leitos de UTI. Recorrer a um hospital em busca de socorro e não receber o socorro é lastimável. Nós, brasileiros, presenciamos essa vergonhosa situação. Gente lutando para continuar a viver e que teve a morte antecipada. Qual é a justificativa para tanta precariedade na saúde pública do Brasil? A justificativa é a corrupção que está entranhada no poder público brasileiro. Como pode, num momento tão delicado como o que estamos vivendo, homens públicos terem a coragem de roubar, meter a mão sem dó, em recursos que deveriam ser aplicados para amenizar o sofrimento das pessoas? São homens que não são dotados de sensibilidade; eles fecham os olhos para o sofrimento dos seus semelhantes; eles comemoram com grandes festas o êxito alcançado em suas rapinagens. Todos os dias, surgem casos escabrosos de corrupção. Eles não têm medo da Justiça. E sabe por quê? Porque quando condenados passam pouco tempo na prisão. Contratam os melhores advogados do país e voltam a gozar de liberdade. Quantos condenados pela Lava-Jato já estão em casa rindo da cara do povo. E o mais grave: aqueles que os condenaram estão correndo o risco de ser condenados. Há quem afirme que houve parcialidade do julgador. Não duvidemos de que um dia esses criminosos venham solicitar indenização ao Estado."

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade