Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Mercado de trabalho na América Latina


16/08/2020 04:00

Vivaldo José Breternitz
São Paulo
 
"A OIT e a Cepal divulgaram o relatório conjunto "Coyuntura laboral en América Latina y el Caribe. El trabajo en tiempos de pandemia: desafíos frente a la enfermedad por coronavirus (COVID-19)". O relatório não traz boas notícias: são esperados mais 11,5 milhões de desempregados até o fim deste ano, levando esse número a 37,7 milhões na América Latina e a taxa de desemprego a 11,5% – no Brasil, já é maior. Esse aumento é reflexo da queda do PIB neste ano, que deve chegar a 5,3% na região; é a pior queda desde 1930, quando da Grande Depressão. Também se espera uma queda na qualidade do emprego, aumentando o número de trabalhadores informais, que já são 54% na região, concentrados entre a população mais vulnerável. Também haverá uma queda no volume de horas trabalhadas, atingindo cerca de 32 milhões de trabalhadores – é mais redução de renda. Todos esses fatores farão a pobreza extrema aumentar em 2,6% e a pobreza moderada em 4,4% em relação a 2019 – o Banco Mundial define pobreza extrema como viver com o equivalente a menos de um dólar por dia, e pobreza moderada como viver com o equivalente a mais de um e menos de dois dólares por dia. Se isso acontecer, e é provável que aconteça, a pobreza afetaria 34,7% da população latino-americana (214,7 milhões) e a pobreza extrema 13% (83,4 milhões) – quase a metade da população total da região. O relatório prevê um futuro difícil para o mercado de trabalho na área, com recuperação bastante lenta dos empregos perdidos, para o que são necessários investimentos visando aumentar a segurança dos trabalhadores e melhorar os níveis de educação e formação profissional. A ONU aponta que, apesar de todos os problemas, a crise está começando a forjar mudanças no mundo do trabalho que serão permanentes, avançando-se em direção a um ‘normal melhor’ com mais formalidade, equidade e diálogo. Resta esperar que tenham razão nesse ponto."

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade