Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Homenagem Elis Regina, 75 anos


postado em 10/03/2020 04:00



Thieser Farias
Santa Maria – RS

“Em 2020, celebramos a memória de 75 anos da maior cantora de todos os tempos: a gaúcha Elis Regina Carvalho Costa. Nascida em Porto Alegre aos 17 de março de 1945, Elis demonstrou, precocemente, possuir valioso talento musical graças à influência do rádio e de Ângela Maria, sua intérprete favorita. Sua vocação para a música era tão evidente que essa gremista foi cantar na Rádio Farroupilha aos 13 anos e, aos 16, lançou o seu primeiro disco, Viva a Brotolândia, tornando a capital rio-grandense pequena demais para o seu enorme dom. Ainda muito jovem, resolveu encarar desafios maiores e partiu para os grandes centros urbanos do país, chegando ao Rio de Janeiro no dia do golpe militar deflagrado contra o presidente Jango. Um ano depois, tornou-se destaque nacional ao receber elogios da crítica especializada pela surpreendente interpretação de Arrastão, apresentação que conferiu a Elis o prêmio de melhor cantora no primeiro festival de MPB da TV Excelsior. Com o passar dos anos, o sucesso de Elis Regina cresceu de forma inexplicável. Em 1974, ela gravou junto a Tom Jobim o célebre disco Elis e Tom, responsável por transformar Águas de Março no novo hino da música brasileira. A repercussão do LP foi tamanha que a gauchinha de 1,50m de altura fora convidada para se apresentar no Olympia de Paris, no Chile e na Suíça. Nesse último, cantou em Montreaux – 'capital da música' –, levando o público ao delírio, que a aplaudiu euforicamente durante 11 minutos ininterruptos. Por onde passou, Elis recebeu a admiração dos fãs em razão de sua inquestionável qualidade técnica como cantora que imprimiu sensibilidade e vida às letras de suas canções, interpretadas com os lábios, com a alma e com o coração. Sua personalidade forte fez o poeta Vinícius de Moraes apelidá-la de 'Pimentinha'. Corajosa e à frente de seu tempo, a mais ilustre filha de Porto Alegre engajou-se em questões sociais e transformou-se em ferrenha inimiga da ditadura militar. Ergueu sua voz no enfrentamento à repressão e a favor do restabelecimento da liberdade de expressão no país, colocando-se ao lado de seu povo contra a tirania.”

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade