Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas FUTURO

Cinco dicas para alcançar a prosperidade


postado em 30/12/2019 04:00

Eduardo Amaral Gomes
Betim - MG

"Sabe-se que hoje em dia somente 1% dos aposentados têm a denominada independência financeira. Para obtê-la, há de se recorrer aos cinco pilares da prosperidade, extremamente simples, salientando-se que não existe outro caminho. Assim, o primeiro pilar é ganhar. Procure ganhar o máximo possível no período produtivo de sua vida, com garra e destemor. Turbine sua carreira com cursos de especializações, aprenda uma nova língua etc. Não se contente com o seu salário no fim do mês. Procure fontes de renda alternativas, como profissionalização de seus hobbies, 'bicos' em fins de semana e feriados. O segundo pilar, o mais importante, é gastar. Não gastar mais do que ganha tipifica o pilar. Tenha um fluxo de caixa adequado, procurando identificar por onde escoa seu rico dinheirinho. Evite gastar em supérfluos, comprar por impulso e procure levar uma vida frugal, espartana, mas sem passar necessidades. O terceiro pilar é poupar. Lembre-se de que poupar é diferente de economizar. Poupar significa destinar uma parte de seu dinheiro para realizar seus sonhos, principalmente o da aposentadoria. Reserve, para tal, 10% a 30% de seu salário, porcentagem que varia de acordo com sua faixa etária. O quarto pilar é investir. Investir depende, fundamentalmente, de poupar: sem poupança não há investimento e investir também não é sinônimo de poupar. Investir é colocar o dinheiro para trabalhar para você. Os tipos de investimento são múltiplos e dependem de seu perfil de investidor: conservador, moderado ou agressivo. O último pilar é dar. Consiste mais no sentido filosófico do termo e depende, também, de cada pessoa. Não significa dar simplesmente 10% de seu salário para igrejas (dízimo) ou obras sociais. O termo é mais amplo. De acordo com a oração de São Francisco de Assis, 'é dando que se recebe'."

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade