Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas FAMÍLIA

Avô 'de primeira viagem' celebra o Natal


postado em 25/12/2019 04:00

Luiz Carlos Amorim
Florianópolis – SC

“O Natal está aí e constato que, apesar de saber o que ele significa, sinto que o tempo, passando inexoravelmente, me mostra que minha idade vai avançando e eu vou mudando com ela. Vejo que aquela ansiedade para que o Natal chegasse já não é a mesma da minha infância, da minha juventude, do tempo em que minhas filhas eram pequenas. Hoje elas estão adultas e a casa está vazia. O Natal já não é mais tão alegre como outrora. Esta época de reunir a família e os amigos, de nos aproximarmos mais, de comemorarmos juntos a vinda de um Menino que traz sempre, todo ano, um punhado de fé e de esperança pra gente, acaba ficando um pouco triste quando a gente já perdeu tantas pessoas queridas. Não estamos sozinhos, é claro, e agradecemos a Deus por ter ao nosso lado muitas pessoas que amamos, e poder abraçá-las na noite de Natal é uma bênção. Mas é inevitável lembrar de tantas outras almas abençoadas que não estão mais aqui e que fazem falta, muita falta. Almas que levaram um pedacinho do coração da gente. Então é preciso lembrar do Menino do qual estamos comemorando o nascimento, para não esquecer que nossos entes queridos deixaram, também, um pedacinho do coração deles para cobrir aquele pedacinho do nosso que levaram. Que eles estão, portanto, acolhidos num cantinho do coração e é com o coração que devemos abraçá-los. Coração que ficará mais leve para dar as boas-vindas ao Menino que chega para ocupar o seu lugar, se deixarmos. De maneira que, para espantar a tristeza, para fortalecer a chama do Natal, preciso de crianças, mais do que em outras épocas do ano. Crianças são insubstituíveis no Natal, como se fossem a representação viva do Menino que renasce a cada ano. E eis que este ano tenho um enorme, imenso presente de Natal, que muda aquela sensação de falta, de necessidade de criança para validar esta época de renovação: nasceu em Lisboa o nosso primeiro neto, Rio, e até nossa casa aqui no Brasil parece estar preenchida com a presença dele, embora ele ainda não tenha vindo aqui. A representação viva do Menino que renasce a cada ano. Nasceu Rio e deságua em nós, caudaloso mas manso e cheio de vida. Seja bem-vindo, Rio, e obrigado por um Natal ainda mais feliz.”

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade