UAI

Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

O preço da reeleição


14/11/2021 04:00

Sacha Calmon
Advogado, coordenador da especialização em direito tributário da Faculdades Milton Campos, ex-professor titular da UFMG e UFRJ
Ilustração Quinho sobre reeleição

"O que será de nós em 2022 é apavorante. O desemprego, a fome, a miséria certamente aumentarão. A nossa esperança é que o 5G, e os saltos que propicia, nos tire do abismo"



Segundo Samuel Pessoa, a rotatividade da Câmara Federal é muito elevada. “Em torno de 40% dos deputados que tentam a reeleição são derrotados. Assim, a primeira preocupação de qualquer deputado é construir seu caminho de recondução à Câmara. O futuro do país vem em seguida. Simplesmente aqueles que não agem dessa forma já deixaram de ser políticos. Em geral, um deputado da oposição arma sua estratégia de reeleição fiscalizando e criticando o governo. O deputado da situação, por sua vez, precisa atrelar-se ao governo e daí abrir caminho para sua manutenção na política”.  

No presidencialismo multipartidário brasileiro, esse espaço é construído pelo Executivo, que no Brasil é extremamente forte em comparação a outros regimes presidencialistas, compartilhando o governo com as bancadas da base na Câmara.  

“Bolsonaro chamou a gestão de nosso presidencialismo de ‘coalizão da velha política’, mas aliou-se ao Centrão. Houve a elevação do teto dos gastos em R$ 90 bilhões, por meio da alteração, de forma retroativa, da data do indexador: em vez de julho a junho do ano anterior, de janeiro a dezembro do ano anterior (pedalada fiscal) ”.  

A dúvida é se a conta da reeleição da Câmara e de Bolsonaro parará aqui ou se teremos novas rodadas de estresse. A inflação de 2021 caminha para fechar acima de 10%. A de 2022 será ainda maior. Estamos indo novamente para a “beira do abismo”. Mas não faço que repetir as críticas de Samuel Pessoa, ilustrado economista radicado em São Paulo. 

Nunca poucos fizeram tão mal ao Brasil, especialmente pela disseminação de uma política que espalhou ódio pelo Brasil afora. 

Os civis se digladiam e os militares, embora incomodados, não se manifestam no que fazem bem. Nos EUA, que Bolsonaro reverencia, os militares nunca se rebelaram contra as instituições, embora muitos deles tenham alcançado a Presidência, pelos feitos traduzidos em votos, mormente no pós-guerra (2ª Guerra Mundial). 

Mas o que mais irrita num governo, seja civil ou militar, é dar desculpas para seus fracassos, como faz aqui o próprio Bolsonaro e que voltou a culpar as medidas de restrição em razão da pandemia pelo mau desempenho da economia. “Se não fossem as medidas tomadas contra a liberdade econômica, entre tantas outras, não haveria queda na economia. Estamos pagando um preço caro pelo fique em casa, a economia a gente vê depois”, disparou.  

Bolsonaro disse que não vai interferir no preço dos combustíveis. A declaração ocorreu ao lado do ministro da Economia, Paulo Guedes, na saída de uma feira de pássaros no Parque de Exposições da Granja do Torto, em Brasília. “Temos aí, pelo que tudo indica, reajuste nos preços dos combustíveis. Isso nem precisa ter bola de cristal, nem informações privilegiadas, o que eu não tenho. É só ver o preço do petróleo lá fora e o comportamento do dólar aqui dentro. Eu não tenho poderes de interferir sobre a Petrobras. Estou conversando com o Paulo Guedes sobre o que fazer com ela no futuro. É um monopólio, a legislação deixa ela praticamente independente. Eu indico o presidente, nada além disso”. Ora essa, o errado é intervir... Ao cabo passou a querer privatizá-la. Tolice. Os aumentos ocorrem porque é administrado como se fosse de particulares, corretamente!  

“Alguns querem que a gente interfira no preço, a gente não vai interferir no preço de nada. Isso já foi feito no passado e não deu certo”.  

De fato, mas privatizar a Petrobras não é entregar a Petrobras...  É um tipo de privatização muito complicado e tem de ser muito bem-feita. Se a culpa não é da Petrobras, qual a razão para privatizá-la às pressas? O que há por trás desse anúncio presidencial? Nesse governo não há tempo hábil para tanto... 

Blá,blá, blá! Sem resolver coisa alguma. Aliás, nesse governo nada vimos de medidas para o crescimento econômico. Sustenta-se no anti-petismo e na moralidade política, mas há coisa mais nojenta que dar 20 bilhões de reais aos deputados de sua base, via PEC dos “precatórios”, reduzindo seu montante? 

Lira e o centrão estão tomando conta do orçamento público e aumentaram o teto de gastos, um ponto que era necessário cumprir. 

Ao meu sentir, os partidos de centro (MDB, PSD, PSDB, DEM etc) estiveram coniventes sob o comando de Lira. Terão também dinheiro para distribuir, favorecendo o PT, o PSOL e outros de esquerda, que ficaram contra. Um presidente que era contra a “velha política”, mas não faz que implementá-la até a exaustão, vero paradoxo. Tirante o messianismo direitista que encarna, é puro conservadorismo de fachada. Em verdade, imoral! 

O que será de nós em 2022 é apavorante. O desemprego, a fome, a miséria certamente aumentarão. A nossa esperança é que o 5G, e os saltos que propicia, nos tire do abismo. 

O Ministro das Comunicações é muito eficiente. Nele, eu confio! 
Amém! 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade