Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Prevenção da saúde mental das mulheres

Precisamos adotar um olhar que vai além da perspectiva biológica e considerar as condições de gênero, que sobrecarregam e impactam a saúde mental


25/07/2021 04:00

Maria Fernanda Quartiero e Luciana Barrancos 
Integrantes do Instituto Cactus
 
Agentes de mudança social, as mulheres são referências dentro de seus núcleos familiares, representam parte fundamental da força de trabalho na educação e também na atenção básica à saúde. No tocante à sua própria saúde, as mulheres também são foco de grandes campanhas de prevenção: câncer de mama, câncer de colo de útero, HPV. Mas por que não inserir também nesse rol a prevenção à saúde mental?
 
Algumas estatísticas refletem a realidade de grande parte das mulheres. De acordo com a Mental Health Foundation, um estudo realizado em 2016 no Reino Unido evidenciou que uma em cada cinco mulheres entre 16 e 25 anos apresenta sofrimento psicológico, com relatos de automutilação e prevalência dos casos de suicídio.
 
No contexto nacional, uma pesquisa realizada entre maio e junho de 2020 – conduzida no Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da USP – mostrou que, durante a pandemia, as mulheres foram as mais afetadas, respondendo por 40,5% de sintomas de depressão, 34,9% de ansiedade e 37,3% de estresse.
 
Nessa discussão, precisamos adotar um olhar que vai além da perspectiva biológica e considerar as condições de gênero, que sobrecarregam e impactam a saúde mental, implicando diferentes suscetibilidades e exposições a riscos específicos de sofrimento psicológico.
 

Além do perfil multitarefa, a World Health Organization considera que consequências negativas podem se associar a violências domésticas e reprodutivas, desvantagem socioeconômica, educacional e em termos de oportunidades no mercado de trabalho, status social baixo ou subordinado,
responsabilidade incessante pelo cuidado de outras pessoas, padrões irreais de estética e outros. Os obstáculos são ainda maiores para mulheres negras e periféricas, submetidas a outros contextos de discriminação.
 
Esses dados evidenciam a necessidade de fortalecermos a conscientização coletiva da sociedade e  individual sobre a importância da prevenção na saúde mental das mulheres. Um primeiro passo para edificar essas iniciativas de informação é o levantamento Caminhos em Saúde Mental, conduzido pelo Instituto Cactus em parceria com o Instituto Veredas. O levantamento promove um apanhado sobre os principais consensos nacionais e internacionais em saúde mental, bem como um resgate histórico do tema no país.
 
Por meio de um olhar dedicado a grupos negligenciados, como mulheres e adolescentes, o material convida à construção de estratégias e políticas públicas de atuação em esforços conjuntos de governos, academia, setores de saúde e assistência, além da sociedade civil. Vamos amplificar o debate sobre saúde mental e normalizar a conversa sobre o tema, pavimentando o olhar e o investimento na área e atuando preventivamente no cuidado com a saúde mental da mulher?


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade