Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Nossos vícios ao acordar


11/07/2021 04:00

Gregório José
Radialista, jornalista, filósofo

Pode parecer brincadeira, mas é real. No passado muitos tinham suas manias (ou vícios) ao acordar. Um conhecido meu tinha, por hábito, acender um cigarro antes de se levantar da cama. Fumava ali mesmo, ao lado da esposa e num quarto fechado. Ela não era fumante (ativa). Outro tomava uma dose de cachaça, cuja garrafa ficava embaixo de uma banqueta ao lado de sua cama, junto a um copo americano empoeirado que nunca deixava aquele local. Nem para lavar.

Minha mãe não gostava de conversar antes de ir ao banheiro, escovar os dentes, coar o café e tomar um pouco. Se tentássemos conversar com ela, seja o assunto que fosse, estragava-lhe o dia.

Hoje, logo nos primeiros momentos do dia, milhares de pessoas mundo afora olham seus celulares. São quase 5 milhões de curtidas nas páginas do Facebook. Joinhas, corações no Instagram, likes, curtidas, deslikes do que não gostamos. Outros quase 400 mil retuítam algo que nem assimilaram ao abrir os olhos.

Neste mesmo segundo em que abrimos os olhos na cama, quase 1 milhão de pessoas tentam encontrar o ser amado e eterno no Tinder. Ah! Esqueci-me de milhares, centenas de pessoas acionando os aplicativos de viagem (e olha que são muitos, mundo afora).

Quase meio milhão está entrando no YouTube para assistir a uma palestra que perdeu ou, apenas, curtir sua música preferida.

E o pior de tudo isso é que naquele mesmo ambiente pode ter uma pessoa querendo um sorriso, um olhar, um bom-dia. Talvez a criança no berço tenha fome, mas, antes da mamadeira, temos que bisbilhotar nossos amigos desconhecidos. Alguns nunca olhamos nos olhos, nunca lhes demos um abraço, nunca nos encontramos na vida, pois estão a milhas de distância. Esses merecem nossa atenção.

Eu sou consumidor de café e notícias. Após abrir a janela, olhar para o céu e o asseio das primeiras horas, faço meu café, me visto costumeiramente e procuro pelas notícias da hora. Procuro meus canais favoritos, leio os jornais pelo aplicativo. Peneiro as notícias positivas e verdadeiras, excluo os veículos tendenciosos, mas leio, ao menos, as manchetes.

Ah! Esqueci. Hoje, quase 8,5 milhões assistem a vídeos Snapchat a cada minuto. Estamos binging Netflix, mantendo o polegar firme pelas redes sociais. Atualizando nossos feeds.

Enquanto alguns lerão este artigo, outros o ignorarão, pois, se fosse mais curto, chamaria a atenção.

Enquanto não nos regramos pela vida e o bem-estar da humanidade, sigamos como gados no pasto, um na frente e outros seguindo, sem rumo, em busca do pão de cada dia, curtindo quem não conhecemos, ignorando os que nos são próximos e reclamando dos governantes que nós, infelizmente, colocamos no poder para nos dar a direção ao desenvolvimento pleno.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade