Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Editorial

Custo de vida nas alturas


21/06/2021 04:00

Um monstro que assombrou bastante e por muito tempo o Brasil, o dragão da inflação, ameaça pôr as asinhas de fora e pode ser mais um empecilho à ensaiada recuperação de uma economia combalida pela pandemia. O índice oficial (IPCA) medido pelo IBGE, de 0,83% em maio, teve forte alta em relação ao verificado em abril (0,31%), e o acumulado em 12 meses (8,06%) está bem acima do teto da meta anual, de 5,25%.

Em meio à alta generalizada de preços, que obviamente atinge mais diretamente os mais pobres, a elevação preocupa especialmente em setores como o de alimentos, sobretudo carnes, que acumulam variação de 38% em 12 meses, e do gás de cozinha. Com o 15º aumento consecutivo do insumo autorizado pela Petrobras na semana passada, o preço médio do botijão de 13 quilos para o consumidor passou dos R$ 100 em algumas capitais.

A alta do custo de vida corrói a já achatada renda das famílias, em um cenário de desemprego recorde, com taxa de 14,7% no primeiro trimestre e um contingente de desocupados que se aproxima dos 15 milhões. E com quase 40 milhões de brasileiros se valendo do socorro do auxílio emergencial do governo federal. O benefício, que varia de R$ 150 a R$ 375, dependendo do perfil de cada família, embora seja bem-vindo e alivie muita gente, é pequeno diante de preços tão altos de comida e gás, entre outros itens básicos.

Urge, portanto, conter o monstro. Nesse sentido, foi sintomático o apelo feito recentemente pelo presidente Jair Bolsonaro, em reunião com empresários de vários segmentos, para que segurem os reajustes de preços neste momento de inflação mais agressiva. Também de olho na tendência inflacionária, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central elevou na última quarta-feira em 0,75 ponto percentual a taxa básica de juros da economia (Selic), para 4,25% ao ano, e já sinaliza com novas altas.

Trata-se, no entanto, de remédio amargo, já que juros mais altos encarecem o crédito e inibem investimentos que podem alavancar a retomada do crescimento. Enquanto isso, o remédio mais eficaz para dar o impulso necessário à economia, que é a vacinação contra a COVID-19, continua em ritmo mais lento que o desejável. A primeira dose da vacina não chegou ainda a um terço da população. E menos da metade desse contingente tomou a segunda dose.

Como já dito e repetido inúmeras vezes, acelerar ao máximo a imunização é fundamental, mas não só para estancar a tragédia na saúde pública: também para a recuperação econômica.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade