Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Uma CPI para travar o país

Temos que saber o quanto vale o preço de um lápis e o que é imposto ou não neste produto.


06/06/2021 04:00

Gregório José
Jornalista, radialista, filósofo.
Pós-graduado
em gestão escolar

Quando os deputados federais e senadores da República se veem apertados para votar algo importante para o país, eles literalmente param os serviços com uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito). Sempre foi assim e sempre será.

Não é cabível que o povo, os eleitores, os humildes trabalhadores votem em representantes políticos que atendem a interesses próprios e de grupos políticos que buscam manter o poder através de cadeiras no Congresso Nacional.

Os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso; Luiz Inácio Lula da Silva; Dilma Rousseff e Michel Temer falaram que era preciso, mais do que urgente, fazer uma reforma tributária e uma administrativa no país. Jair Messias Bolsonaro disse o mesmo, e já estamos entrando no período pré-eleitoral.

Sabe o que significa?

Nada acontecerá neste ou no próximo ano. Isso mesmo. Os nobres e digníssimos deputados e senadores não votarão nada. Pode isso? Não deveria, mas as manobras dos espertos prevalecem e o brasileiro continua sendo explorando por taxas cada vez maiores e exorbitantes.
Precisamos, mais do que urgente, de uma reforma tributária. Temos que saber o quanto vale o preço de um lápis e o que é imposto ou não neste produto. Temos que ter clareza de que o preço do combustível, cada vez maior, é mais taxado do que tudo.

E, neste mesmo caminho, seguem os ministros do Supremo Tribunal Federal. Enquanto passam à frente questionamentos mais políticos do que legais e, onde, um ministro vota algo que acha certo, sem consultar o pleno, vai “empurrando” outros para depois.

No ano de 2020 o STF colocou fim ao processo mais demorado e que aguardava uma decisão. 124 anos depois. Isso mesmo. Foram 124 anos de espera. Será que os autores da questão ficaram tristes ou felizes com a decisão?

Será possível que questionamentos anteriores à briga “PT X demais partidos”, ou estes contra o Partido dos Trabalhadores têm privilégio sobre demais encaminhamentos? Quem pode dizer que os ministros estão certos ou errados?
E os deputados e senadores? Por que precisam mais de 20 anos para criar uma lei que irá beneficiar toda uma nação?
Pensem! Se encontrarem justificativa plausível, digam-me.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade