Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Política binária


25/03/2021 04:00

Márcio Coimbra
Coordenador da pós-graduação em relações institucionais e governamentais da Faculdade Presbiteriana Mackenzie Brasília, cientista político, mestre em ação política pela Universidad Rey Juan Carlos (2007), ex-diretor da Apex-Brasil, diretor-executivo do Interlegis no Senado Federal

O bolsonarismo inaugurou o modo petista de governar pela direita. O método é o mesmo, apesar dos sinais trocados. Baseia-se em uma visão binária de mundo que consiste apenas em duas metades. Aqueles que não são bolsonaristas são comunistas, e os que optam por não ser petistas são tachados de fascistas. Não existe espaço para a ponderação, razão e entendimento. O modelo mental é de destruição do oponente, jamais de construção de soluções. Em qualquer ambiente desta polarização, quem não está do meu lado não é considerado adversário, mas um inimigo a ser destruído.

Por certo, as redes sociais deram voz a uma grande parcela da população que não conseguia ser ouvida. Entretanto, a qualidade do debate caiu vertiginosamente. Isso ocorre porque as redes criam bolhas, por meio de algoritmos que atraem os iguais e afastam os divergentes. Um fenômeno que gera uma falsa sensação de aceitação no todo e que acirra o discurso binário. Grupos falam para si mesmos e sua bolha artificial.

Ao associarmos o ímpeto de destruição do oponente à falsa sensação de aceite geral, criamos o modelo de discurso político atual. Como a construção não é objetivo de ambos os grupos, a forma moldada de debate político é da deslegitimação do oponente por meio de ataques e agressões, que não visam atacar seus argumentos, mas invalidar o interlocutor. O que menos interessa neste campo é o debate de ideias, prevalecendo sempre a tese de que um grupo é o dono da razão.

Nesse caso, a divergência é sempre mais importante do que a convergência. Assim, se na direita bolsonarista temos um liberal, que concorda com a agenda do governo, mas critica Bolsonaro por não ter avançado nas privatizações, certamente será tachado de traidor, esquerdista ou até mesmo de comunista. Do outro lado, a mesma coisa, apenas mudando o sinal, com os ataques circulando entre fascistas e xenófobos. O que importa é divergir, atacar, agredir e se autoafirmar para sua bolha.

O Brasil perde com este movimento raso e simplista, que leva a política para rumos diferentes de seu propósito original. A política é feita de adversários, não de inimigos, da criação de consensos e da construção de maiorias. Quando dentro da política, divergência, destruição e rivalidade entram em cena, a democracia se enfraquece e tendências autoritárias, que podem vir da direita ou da esquerda, sentem-se mais confortáveis para surgir como alternativas.

Vale lembrar também que esse mecanismo é vantajoso para os radicais, que precisam do polo opositor para sobreviver, um sistema que se retroalimenta da rejeição e do ódio, que funcionam como combustível na arena eleitoral. Sem antagonistas, o modelo perde tração quando entram em cena a convergência e a boa política. Em última instância, quando os radicalismos se fortalecem, a democracia se enfraquece. Sem os extremos, o sistema encontra sua harmonia.

Não teremos chance de vencer a pandemia, tampouco o caos econômico que se instalou no Brasil, se seguirmos reféns desse pensamento simplista e tosco. O binarismo político leva à servidão, submissão e cegueira intelectual e política. O Brasil merece mais do que isso.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade