Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Tendências para o varejo em 2021

A praticidade que as ferramentas proporcionam ao usuário e a experiência em adquirir algo em apenas alguns cliques fazem com que a compra seja recorrente


20/02/2021 04:00

Eduardo Córdova
CEO do market4u, maior rede de mercado autônomo e inteligente do Brasil
 
Não é mais novidade que o varejo foi um dos principais segmentos afetados durante a pandemia. O isolamento social e o novo perfil de consumo fizeram com que esse setor desse um passo muito importante no quesito digitalização. Para se ter uma ideia, segundo um levantamento realizado pela Neotrust/Compre&Confie, empresa de inteligência de mercado, nos primeiros quatro meses de quarentena, o comércio digital ganhou mais de 5 milhões de novos consumidores. Dois meses depois, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) registrou um aumento de 9% nas vendas no varejo, sendo que a expectativa era 0,2%.
 
Potencializado pela transformação digital, a tendência é que cada vez mais os players varejistas busquem por novos caminhos para se manter presentes na vida de seus clientes. E, para isso, será necessário que as empresas apostem na presença digital e ofereçam um ambiente omnichannel para uma melhor experiência e engajamento com os consumidores.
 
Outra tendência que acredito que ficará ainda mais em evidência a partir de agora são os aplicativos, que concentram diversos produtos e serviços, como o Magalu, Carrefour e iFood, por exemplo. A praticidade que essas ferramentas proporcionam ao usuário e a experiência em adquirir algo em apenas alguns cliques fazem com que a compra seja recorrente.
 
Na outra ponta, há o varejo sem toque – conhecido como touchless Retail. Essa dinâmica tem ganho adeptos em todo o país, uma vez que os smartphones têm sido a principal ferramenta para o self checkout. A verdade é que as pessoas, no novo normal, passaram a ficar mais tempo em casa e buscam por serviços que vão até elas.
 
Por fim, mas não menos importante, está a questão da personalização das ofertas. O que já é bastante comum em algumas drogarias e redes de supermercados passará a ser uma alternativa interessante para outros segmentos. Ou seja, os estabelecimentos que oferecerem um “plus” e sugerirem descontos customizados, de acordo com o hábito de consumo de cada indivíduo,
 
proporcionarão uma experiência inovadora e, consequentemente, ganharão novos clientes por isso.
Sem mais delongas, acredito que essas serão as principais tendências para o varejo em 2021. A tecnologia tem se tornado o canal essencial de comunicação das marcas com seus consumidores, tanto para melhorar a forma de atender como um meio importante para criar diferentes ações, fidelizar e conquistar novos clientes. Entendam, isso não significa que as lojas físicas irão deixar de existir, mas com certeza serão obrigadas a inovar ainda mais se quiserem continuar lucrando. Pensem nisso!


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade