Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

São Paulo é outro país


16/12/2020 04:00 - atualizado 15/12/2020 21:55

Sacha Calmon
Advogado, coordenador da especialização em direito tributário da Faculdades Milton Campos, ex-professor titular da UFMG e UFRJ

Ana Conceição, de São Paulo, nos diz que a falta de uma coordenação central para combater a pandemia e a forma desastrada como as autoridades estão lidando com a oferta e distribuição de vacinas contra a COVID-19 têm, e continuarão a ter, sérios efeitos sobre a saúde da população e sobre a economia. O mesmo afirmaram especialistas durante fórum "E agora, Brasil?".

Com o número de mortes pelo novo coronavírus em alta no país, Jair Bolsonaro disse que o Brasil está vivendo "o finalzinho" da pandemia.

Ora, o Brasil teve em 9/12, até as 20h, mais 769 mortes por COVID-19, de acordo com o consórcio de veículos de imprensa. O acumulado alcançou 179.801 óbitos. A média móvel de mortes na semana foi de 642 por dia, alta de 35% em comparação com a semana anterior.

O total de infectados no país já atinge 6.783.543 pessoas. A média móvel nos últimos sete dias foi de 42.290 novos diagnósticos por dia, 34% mais que no período de sete dias anterior.

Vinte e um estados e o Distrito Federal apresentaram alta na média móvel de mortes: PR, RS, SC, ES, MG, RJ, SP, GO, MS, MT, AC, RO, RR, TO, BA, CE, PB, PE, PI, RN e SE. É o segundo dia seguido em que tantos estados aparecem simultaneamente com tendência de alta nas mortes pela doença.

O balanço mais recente, fechado às 17h30, apontava 5.931.777 pacientes recuperados da doença e 670.257 sob acompanhamento.

Mesmo assim, delirante, Bolsonaro pediu a governadores e prefeitos que não fechem o comércio e que lhe cabe, como um rei, autorizar vacinas.

Com um frasco da vacina pronta numa das mãos, Dimas Covas, diretor do Butantan, mostrou imagens dos técnicos trabalhando na fábrica e das doses. "Queremos esta vacina para todos os brasileiros, para todos os municípios, com o financiamento do nosso Ministério da Saúde", afirmou. "Basta me telefonar, basta ligar, e eu prontamente colocarei as vacinas à disposição daquele órgão", disse ele, se referindo ao órgão federal.

Confirmou, também, que há negociações em curso para viabilizar a exportação da CoronaVac para outros países latinos. "Existem, sim, planos. Não apenas planos, mas inclusive já negociações em curso", disse Dimas Covas, pontuando que o Butantan ofereceu ao Ministério da Saúde 100 milhões de doses até maio. E ao mesmo tempo foram anunciados 40 milhões de doses adicionais para toda a América Latina.

O custo da vacina, disse ele, foi informado ao Ministério da Saúde em setembro, numa planilha, e o valor estipulado é de US$ 10,30 a dose. Essa proposta continua no ministério, acrescentou. O cientista voltou a mencionar correspondência do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, dizendo que havia interesse na aquisição do imunizante, desde que autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O governo de São Paulo também voltou a defender que a permissão para aplicação da Coronavac no Brasil pode ser obtida por diferentes caminhos. O primeiro, por meio do registro convencional pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) – que inclui uma novidade, a autorização para uso emergencial –; e o segundo com aval de agências do exterior para uso emergencial...
"É possível que o registro na China saia muito rapidamente, antes do final deste ano", ressaltou Covas. Segundo ele, essa lei prevê que a Anvisa se manifeste em até 72 horas após sinal verde internacional. "A Anvisa terá que dizer sim ou não. Esse é um caminho alternativo".

A possibilidade de registro alternativo foi aberta com a Lei 13.979, de fevereiro, relacionada ao estado de calamidade pública.

O diretor do Butantan observou ainda que, na semana passada, esteve na Argentina, onde firmou protocolo de intenções para fornecimento inicial de 10 milhões de doses a partir de janeiro. "Da mesma forma, temos pleitos semelhantes do Peru, do Uruguai, de Honduras, do Paraguai e da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), que abriu uma concorrência, ou seja, solicitou propostas de fornecimento de vacinas com preço definido."
 
Segundo Dimas Covas, o Instituto Butantan está preparando a documentação para participar da concorrência da Opas, em associação com o Fundo de Emergência Internacional das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

O governo de São Paulo alertou, ainda, que os riscos de contágio pelo novo coronavírus estão maiores em dezembro do que no primeiro pico da pandemia, que ocorreu em julho.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade