Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Bolsonaro e a verdade


07/10/2020 04:00 - atualizado 06/10/2020 21:08


Sacha Calmon
Advogado, coordenador da especialização em direito tributário da Faculdades Milton Campos, ex-professor titular da UFMG e UFRJ


Churchill, diante da enorme máquina de guerra de Hitler, disse aos seus compatriotas: "Somente lhes posso prometer sangue, suor e lágrimas. Mas não nos renderemos. Lutaremos no mar, no ar e em terra, até vencer". O nosso presidente deveria, como ele, primeiro desfechar nossas dificuldades e depois nos conclamar para a superação. Não tem sido assim.

Bolsonaro, no ato de abertura anual da Organização das Nações Unidas (ONU), criada após a horrível matança humana da Segunda Guerra Mundial iniciada pelos alemães, não seguiu nem Churchill nem Disraeli, para quem, enquanto premiê da Grã-Bretanha, os discursos devem ser feitos para convencer, e não para se defender ou reclamar, coisas a serem feitas privadamente.

No conceito das nações, os diálogos de questões delicadas são conduzidos por políticas bem planejadas pela diplomacia, cujo trabalho implica conhecimento, informações e conversações.

É regra desde Graça Aranha, e também privilégio de ordem internacional, que o presidente do Brasil faça o discurso anual de abertura dos trabalhos da ONU. Em segundo lugar, fala o presidente dos EUA, país anfitrião – a sede da ONU fica em Nova York.

Essa é uma oportunidade ímpar de o Brasil, pelo seu presidente, falar às mais de 200 nações que formam a ONU e seu Conselho de Segurança (EUA, França, Reino Unido, Rússia e China têm poder de veto sobre as resoluções do colegiado).

Este ano, o presidente Bolsonaro, com o devido respeito, ao abrir os trabalhos da Assembleia Geral das Nações Unidas, superou-se em proclamar meias verdades e algumas evidentes inverdades, diminuindo-se e prejudicando a imagem internacional do nosso país (a fala de um presidente pressupõe que a nação o autorizou).

Ele inventou – esse é o termo adequado – que há uma "descomunal" campanha internacional de desinformação contra o seu governo, o que põe contra a parede os embaixadores de todas as nações acreditadas pelo governo brasileiro e os correspondentes estrangeiros em conluio com as autoridades dessas nações, embora nenhuma tenha sido citada nominalmente. Isso foi de uma infantilidade atroz.

As aleivosias perpetradas ao nosso país, por outro lado, decorriam de o STF tê-lo impedido de combater com rigor a pandemia da coronavírus; que as queimadas e incêndios eram apenas focos, já que as florestas amazônica, do pantanal e a mata atlântica são úmidas, avessas a incêndios, estes ateados por "índios e caboclos"; que a mancha de petróleo que invadiu nossos mares no Norte e Nordeste fora intencional, omitindo a autoria, mas induzindo ter sido obra venezuelana; que dá incessante combate aos desmates e incêndios (com 30 fiscais do Ibama... acrescento); que seu governo fez de um tudo no combate ao coronavírus, incluindo, é claro, os auxílios financeiros emergenciais (que reconheço muito importantes).

Na verdade, não fez nada do que disse, exceto o auxílio emergencial e certamente irá piorar a situação do Brasil, haja vista as brigas de foice dentro do governo entre ministros, e as deferências ao Centrão. Só para exemplificar, Ciro Nogueira, prócer de um estado do Nordeste, o novo xodó do presidente, responde a vários processos, sendo um corrupto reconhecido pela nação. Mas vem de indicar para o STF o ministro que ocupará a vaga do culto Celso de Mello. A sorte é que o jovem indicado é uma pessoa séria e estudiosa. O resto vai ter que aprender, fazendo e julgando. Desde que encasquetou com a ideia fixa de um segundo mandato (aliás, jurou na campanha não o desejar). O presidente, que a princípio desdenhava do Congresso, para gáudio dos direitistas imbecis de sua guarda pretoriana, agora faz questão de agradar ao Centrão.

No que interessa mesmo, nada fez. O desemprego já chegou a 14% da população economicamente ativa (PEA). A dívida pública aumentou e raspa nos 100% do PIB. Há empenho num programa populista e eleitoreiro – para quem combatia o Bolsa-Família – de dar R$ 300, quando nada R$ 250, todo mês, a cerca de 56 milhões de brasileiros. "É dando dinheiro público que se recebem votos." A inflação ameaça subir com a distribuição dessa benesse monetária e as tais "reformas" nem sequer estão formuladas. O que dizer? O Brasil, como sempre, é uma pândega! Apesar de toda a inútil agitação, não há nada de novo. Está tudo como dantes no quartel de Abrantes.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade