Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Dia Mundial do Turismo


27/09/2020 04:00

Roberto Luciano Fagundes
Engenheiro, presidente da Federação de C&VB-MG
e sócio-diretor da CLAN Turismo


Hoje, 27 de setembro, comemorarmos o Dia Mundial do Turismo. Mas será que essa comemoração é pertinente? Ao findar o ano passado e início deste ano, com as previsões animadoras de crescimento da economia, as perspectivas eram as mais promissoras possíveis. Todos os segmentos ligados a este negócio estavam preparados para participar ativamente desse momento. E estavam lastreados em indicadores positivos para assim pensar. Afinal, estamos falando de uma atividade classificada como o terceiro maior negócio do mundo, representando 10% do PIB mundial, com um em cada 10 trabalhadores no mundo e entre as principais atividades econômicas do século 21, conhecido como "o negócio da felicidade".

O turismo é uma indústria que deve processar recursos naturais, culturais e humanos, sem desgatá-los, de forma articulada e planejada, com a missão de atender aos sonhos do turista e, principalmente, promover o desenvolvimento sustentável local.

É um mercado que movimentava US$ 8,3 trilhões no mundo, sendo um forte gerador de empregos. Com essa pandemia, o mundo passa por uma grande crise econômica e financeira, cujos desdobramentos ainda não foram possíveis computar, a não ser o caos que o setor está passando, sendo considerado um dos mais afetados, infelizmente. As previsões de crescimento da economia global e das continentais, dos blocos econômicos e dos países de maior expressão econômica ainda são uma incógnita para todos. A expectativa é que a quarentena duraria 60 dias, e hoje já estamos no 7° mês, entrando no 8°. Até quando isso vai durar é a pergunta que fazemos, mas ninguém ainda se arrisca a uma resposta concreta. Muito se espera das vacinas anunciadas, mas que ainda estão em fase de testes, iniciando a aplicação em cobaias humanas. Enquanto isso, o pujante mercado nacional, que resistiu o quanto pôde a esse pandemônio, tentando segurar os seus colaboradores, usando de suas reservas, fechando as portas para diminuir as despesas, chegou agora ao limite.

Aos poucos, começa a abertura lenta e gradual mas, e a clientela? Está em condições de acompanhar essa reabertura? E o mercado internacional? Segundo a Organização Mundial do Turismo (OMT), o Brasil foi eleito o número 1 do mundo em atrativos naturais. Como fazer para sensibilizar os turistas estrangeiros a vir conhecerem nossas tantas paisagens reconhecidas mundialmente? Quando o quesito é a priorização do turismo, somos o número 106 de 136 países analisados, lá no fim da fila.

Há muitos desafios a serem superados, mas o turismo se revela um importante aliado para impulsionar o desenvolvimento econômico, com sua capacidade de geração de empregos, renda e atração de investimentos. Segundo ainda a OMT, o volume de negócios do setor é igual ou superior ao das exportações de petróleo, de produtos alimentícios ou de automóveis, tornando o segmento um dos principais atores do comércio internacional. Na verdade, sabemos que o mundo inteiro conhece a importância do turismo. Não faz sentido o Brasil, líder mundial de belezas naturais, não ter o turismo como uma das suas prioridades. É muito potencial de um lado e pouca atenção do outro. Um setor gigante que não pode ficar de fora do debate político. O turismo pode alavancar um novo ciclo de crescimento no país. O governo pensa no turismo como um vagão e nós sabemos que somos uma locomotiva. Ele não é consequência e sim uma das causas do desenvolvimento econômico. É inclusão. É empreendedorismo.

O incentivo do governo é fundamental para que possamos crescer juntos. Sendo bom para nós, empresários e colaboradores, será bom para o desenvolvimento do país, bom para o nosso futuro.
Não dá para pensar em um plano de governo sem pensar no turismo. A sociedade tem de estar atenta e cobrar dos governantes, em níveis municipal, estadual e federal. Temos que aproveitar o enorme potencial de crescimento desse setor, levando em conta o momento atual, pois o mesmo é gerador de capital bruto e impulsionador de muitos outros setores.

Quando o turismo cresce, o país inteiro cresce junto.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade