Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas EDITORIAL

Faltam diálogo e bom senso


20/09/2020 04:00

A expressão cego no meio do tiroteio traduz com extraordinária concretude a sensação de se sentir perdido, desnorteado, incapaz de encontrar o rumo. Sentimento similar experimentam os dependentes do INSS diante da guerradeflagrada em razão da reabertura das agências com perícia médica. De um lado, os profissionais da saúde. De outro, o governo. No meio, 1 milhão debrasileiros.

Os peritos dizem que faltam condições sanitárias para a volta ao trabalho presencial. Sem os cuidados necessários, eles se expõem a enfermidades, entre as quais a covid-19. A Secretaria de Previdência e Trabalho, do Ministério da Economia, afirma que cumpriu os protocolos, com foco na proteção dos servidores e dos segurados.

Determinou, então, a abertura de 600 postos, 111 dos quais com perícia. Na sexta, acrescentou mais 30. Também anunciou as datas de abertura para opúblico – outro fator de desencontros. Diz que combinou com associações e sindicatos, mas as entidades negam. Marcou para 14 de setembro, depois postergou para 17. O segurado, mesmo com agendamento prévio, ficou a vernavios. Voltou frustrado para casa.

O governo ameaçou descontar a remuneração dos que se negarem a comparecer às agências. E marcou o dia 21 para a normalização das atividades. Entidades representativas dos médicos reafirmaram a determinação de só retomarem o atendimento depois de checagem das agências pelos própriostécnicos – marcada para amanhã. Se tudo estiver de acordo com os padrões estabelecidos pelas autoridades sanitárias, os peritos retornam na terça,não na segunda como definido pelo governo.

É bom que corporação e Estado flexibilizem a intransigência e deem vez ao diálogo e ao bom senso. Seis meses foi tempo suficiente para adequar as instalações à nova realidade e prevenir contratempos. Protocolos devem serseguidos com rigor. E o brasileiro, no caso o cego no meio do tiroteio, é avítima da tragédia. Paradoxalmente, porém, paga a conta com moeda forte – a saúde e a sobrevivência financeira. Em bom português: arca com o ônus semobter o bônus.

Disputas políticas não podem se sobrepor ao interesse público. O segurado é a urgência número 1. Tem de receber os benefícios que dependem da perícia médica, como acidente de trabalho, auxílio-doença e aposentadoria por invalidez. Vale lembrar a razão da existência do funcionário público. É servir ao público.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade