Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas editorial

A Lava-Jato na berlinda

A sociedade permanece alerta em relação às tentativas de desacreditar a Lava-Jato


31/07/2020 04:00

O cerco se fecha cada vez mais em torno da Lava-Jato, operação de combate à corrupção nunca vista no Brasil e que levou para a cadeia expoentes da política nacional, como um ex-presidente da República e da Câmara dos Deputados, além de empresários de peso. Reconhecida internacionalmente como exemplo de luta contra corruptos e corruptores, a Lava-Jato vem sofrendo ataques velados ou não, nos últimos tempos, mesmo contando com o apoio inequívoco da maioria da população brasileira.

Foi do procurador-geral da República, Augusto Aras, o último lance no tabuleiro de xadrez representado pela atuação do Ministério Público Federal no combate à corrupção. Ele acusou a força-tarefa de ter se transformado em uma caixa de segredos com milhares de documentos ocultos. Disse, ainda, que é chegada a hora de corrigir rumos nas investigações da Lava-Jato, sobretudo do grupo de procuradores de Curitiba, berço das operação que foi por muito tempo comandada pelo ex-juiz e ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro.

Nos bastidores, comenta-se que o posicionamento de Aras vem ao encontro dos interesses de políticos investigados no Congresso e em gabinetes poderosos do Poder Executivo, além dos advogados de réus e denunciados pela Lava-Jato. A senadores, numa live fechada, o procurador-geral afirmou que a “República não combina com heróis” e que a distribuição de processos da operação é passível de fraude. Também criticou as operações de busca e apreensão feitas pela Polícia Federal, uma das instituições que integram a força-tarefa, nas dependências da Câmara e do Senado.

Os procuradores da Lava-Jato reagiram, prontamente, às colocações de Aras. O grupo do MPF de Curitiba classificou as declarações de infundadas e negaram a existência de segredos ou documentos ocultos no trabalho da força-tarefa. Quanto à extensão das investigações – Aras afirmou que os procuradores têm 350 terabytes e 38 mil pessoas com seus dados depositados, "que ninguém sabe como foram escolhidos" –, o MP paranaense esclarece que a envergadura da apuração só mostra a amplitude do trabalho realizado pela operação até hoje.

Certo é que a sociedade permanece alerta em relação às tentativas de desacreditar a Lava-Jato, o que só interessa a quem tem contas a prestar à Justiça. Sempre é bom lembrar o que aconteceu com a Operação Mãos Limpas, na Itália, semelhante à desencadeada, posteriormente, em Curitiba. Teve o apoio maciço dos italianos mas foi alvo de tantas denúncias que, mesmo sem terem sido comprovadas, solaparam a confiança da população e acabou desmoralizada. Que no Brasil o mesmo não aconteça e que a luta contra a chaga da corrupção não seja lembrada apenas nos livros de história.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade