Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas editorial

Corrupção no aumentativo

Respiradores, máscaras e demais equipamentos de proteção individual, além de testes rápidos e hospitais de campanha, foram objeto da sanha desenfreada de roubo do dinheiro público


26/07/2020 04:00

Corrupção longe está de constituir jabuticaba. Tem-se notícia da prática em diferentes culturas de diferentes épocas. Estados capitalistas e comunistas, orientais e ocidentais, desenvolvidos e em desenvolvimento contam histórias de líderes que recorrem a meios escusos para atingir objetivos distantes do bem comum.
 
O Brasil não foge à regra. País jovem, com educação precária e uma multidão de vulneráveis, é terreno fértil para políticos inescrupulosos. Avançar nos cofres públicos ganhou tal naturalidade que, além de rotina, tornou-se objeto de ditos populares. “Rouba, mas faz” é um dos mais difundidos.
 
Com o aprimoramento das instituições a partir da Constituição de 1988, órgãos de fiscalização e controle passaram a atuar com mais independência e determinação. Dois presidentes da República sofreram impeachment, respondendo a processo na Justiça. Esquemas de assalto ao erário vieram à tona.
 
Corrupção ganhou rimas no aumentativo – mensalão e petrolão. Nos últimos dias, novos personagens entraram na crônica policial. Entre eles, o senador José Serra e o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin, que disputaram o Palácio do Planalto pelo PSDB.
 
Apesar da visibilidade da Operação Lava-Jato, que passou aos brasileiros a impressão de que a secular impunidade nacional era página virada, denúncias recentes provaram o contrário. Em 12 unidades da Federação, investigações comprovaram fraude em aquisições emergenciais para enfrentamento da pandemia do novo coronavírus.
 
Em fevereiro, a legislação brasileira autorizou a compra, sem licitação, de bens, serviços e insumos necessários para salvar vidas. Menos de dois meses depois, o Ministério Público e a polícia notaram indícios de irregularidades como preços superfaturados e demora na entrega de mercadorias. Respiradores, máscaras e demais equipamentos de proteção individual, além de testes rápidos e hospitais de campanha, foram objeto da sanha desenfreada de roubo do dinheiro público.
 
A crônica da corrupção parece novela. Há sempre espaço para novos capítulos. Os órgãos de fiscalização e controle precisam dar prioridade ao verbo prevenir. Remediar muitas vezes é ação tardia. Ao ser deflagrada, deixa para trás um rastro de prejuízos não raro irrecuperáveis. No caso da pandemia, milhares de cadáveres.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade