Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Desafios da educação remota

As pessoas começaram a perceber que o estar junto, o fazer junto, é importante demais


postado em 28/05/2020 04:00

Walber Gonçalves de Souza
Professor e escritor

Que a educação é ou deveria ser algo dinâmico disso ninguém discorda. A educação, como tudo na vida, passa por metamorfoses que se adaptam à própria evolução da existência humana.

O momento atual em que vivemos criou um cenário de isolamento em que ficar em casa tornou-se a regra. Assim, foi preciso repensar a educação escolar, adaptando-a ao cenário imposto pela pandemia da COVID-19.

Mas, como ela poderia ser realizada de forma eficaz? A saída foi buscar a tecnologia e organizar aulas telepresenciais. Os aparelhos eletrônicos – celulares, smart TV, notebooks e computadores de mesa – transformaram-se nas salas de aula, e essa forma de ensino ganhou o codinome de "ensino remoto".

No começo, como era novidade, foi aquela correria na busca de ver qual seria o melhor programa a ser usado; como ele seria manipulado para atender aos propósitos da educação; e se haveria condições técnicas para o seu uso de forma que viesse a satisfazer os objetivos propostos.

Até aí, tudo bem! Todavia, o ficar na frente de uma telinha, praticamente quase que o dia todo e automaticamente longe dos amigos, da rotina do ir e estar na escola, vem gerando um sentimento inesperado: o sentimento de valorização do ambiente escolar.

Fala-se tanto na vida virtual que quando ela precisou de fato acontecer as pessoas começaram a perceber que o estar junto, o fazer junto, é importante demais. E que nada substitui as relações interpessoais de forma presencial.

Estar na escola, portanto, passou a ser visto com outros olhos, com um olhar mais humano. E até mesmo a figura do "bom e velho professor" passou a ser significativa na percepção dos alunos e de suas respectivas famílias.

Outro ponto que merece uma reflexão, dentro desse contexto, é o acesso aos recursos tecnológicos. Ficou claro que o acesso ainda é muito precário para muitas pessoas. Há alunos que nem têm acesso. O abismo social que se verifica na nossa sociedade é notado, literalmente, nos recursos que as pessoas possuem.

Nessa direção, a educação remota esbarrará nas condições sociais de milhares de pessoas. Pode parecer estranho, mas em plena era da tecnologia, a educação remota é menos universal e democrática do que a antiga e velha forma presencial.

Na escola, dentro de uma sala de aula, na relação ensino/aprendizagem, as disparidades sociais ficam menos evidentes do que a demonstrada pelas formas digitais; pois, como sabemos, quanto melhor a ferramenta tecnológica e suas condições de uso, a possibilidade de aproveitamento é proporcionalmente equivalente.

Pode parecer estranho, mas, na prática, o que achávamos que iria acontecer não aconteceu. O ensino remoto também perpetua a desigualdade social, pois escancara mais um desafio a ser vencido pela sociedade brasileira.

Enquanto isso, vamos aprendendo que ser gente é estar com gente!

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade