Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

A indústria puxará o crescimento

A atenção aos índices e alertas apresentados pelo setor produtivo ao governo federal indicam que começamos a ser ouvidos


postado em 12/02/2020 04:00


João Marchesan
Administrador de empresas, empresário e presidente 
do Conselho de Administração da Abimaq
 
 
 
“Apolítica industrial que nos convém se reduz a umas poucas regras de bom senso. A primeira é que o mais importante incentivo ao progresso é assegurar-se liberdade empresarial, pela abolição de monopólios estatais e reservas de mercado. A segunda é aumentar a previsibilidade econômica, pela estabilização de preços. A terceira é que, antes da concessão de incentivos, é necessário remover        obstáculos, pois que, isso feito, na maioria das vezes o mercado cuidará de si mesmo.” Essa frase, atribuída a Roberto Campos, economista, professor, escritor, diplomata e político brasileiro, reflete bem o momento que estamos vivendo e o clima de otimismo que começamos a perceber.

Já começamos a sentir os primeiros sinais de que as medidas adotadas pelo governo brasileiro para evitar o colapso das contas públicas, iniciando com a reforma no sistema previdenciário e sancionando uma medida provisória para desburocratizar e simplificar processos para empresas e empreendedores, começam a surtir efeito.

O governo tem acenado, positivamente, não só com as medidas acima citadas, mas, também, permitindo e mantendo uma interlocução com o setor produtivo nunca antes experimentada. Soma-se a esses fatos uma redução dos juros aos menores patamares da história, mantendo a inflação controlada, e estabelecendo um contexto adequado para o Brasil voltar a crescer.

São dados animadores e consistentes, o que nos permite afirmar que, em 2020, vamos continuar trabalhando para o crescimento do setor, buscando crédito suficiente, redução do custo Brasil e condições adequadas que garantam isonomia em relação aos nossos concorrentes internacionais

Vamos continuar defendendo a iniciativa privada e precisamos de um empurrão gigantesco na indústria nacional, o que parece estar se configurando nesse início de 2020. O ano de 2019 termina com sinais evidentes da reação do mercado brasileiro às ações do governo e do Congresso Nacional. O crescimento do PIB acima do esperado; a criação de mais de 800 mil empregos formais; o aumento nos últimos cinco meses de 2019 do fa- turamento industrial; e os sucessivos recordes da Bolsa de Valores de São Paulo, que, pela primeira vez, ultrapassou os 110 mil pontos, são provas de que os agentes de mercado estão respondendo,positivamente, aos estímulos.

De acordo com os índices oficiais, os indicadores econômicos mostram que o Brasil começa a se reerguer, resgatando aos poucos a confiança dos setores envolvidos e responsáveis por alavancar o crescimento e reencontrando o caminho do desenvolvimento.

A atenção aos índices e alertas apresentados pelo setor produtivo ao governo federal indicam que começamos a ser ouvidos. O próprio envolvimento do governo com relação às medidas para entender, apurar e diminuir o custo Brasil indicam que estamos no caminho certo. Finalmente, encontramos ressonância em um trabalho que temos desenvolvido na Abimaq, há anos, para apurar o diferencial de custo em se produzir o mesmo produto no Brasil ou no exterior, e estamos conseguindo demonstrar que esse diferencial é causado, principalmente, por deficiências em fatores sistêmicos.

E essa sensação que externamos, hoje, é compartilhada por outros segmentos industriais, como demonstra a sondagem realizada pela Confede- ração Nacional da Indústria (CNI) a respeito do Índice de Confiança do Empresário Industrial, que atingiu 62,5 pontos em novembro, 7,9 pontos acima da média histórica. Para 75% dos quase 2.000 empresários ouvidos em pesquisa realizada entre 2 e 10 de dezembro, as ações e políticas do atual governo contribuíram para a melhoria dos índices econômicos.

Temos certeza de que 2020 será melhor que 2019, os nossos números demonstram isso. E se eles não bastassem, baseando-se na pesquisa da CNI, 57% dos empresários brasileiros já consideram que o ambiente de hoje (2020) é muito mais seguro para tomar decisões de negócios e investimentos do que em dezembro de 2018. Mas o mais significativo da pesquisa é que 84% dos empresários industriais pretendem investir nos seus negócios em 2020, e esse é   o maior índice dos últimos cinco anos.

A pesquisa demonstra, ainda, que a indústria é que será responsável por puxar o crescimento do Brasil em 2020. O Produto Interno Bruto (PIB) do país deve crescer 2,5%, mais que o dobro do aumento estimado para 2019. Enquanto os setores industriais cresceram apenas 0,7% nos últimos 12 meses, a projeção para 2020 é um avanço de 2,8%.  Que venha o crescimento.


Publicidade