Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

Negócios digitais:  nova arquitetura

Para capitalizar sobre as novas oportunidades de negócio é necessário ir além dos modelos tradicionais de aplicação para uma arquitetura que forneça respostas instantâneas 


postado em 19/01/2020 04:00

Márcio Arbex
Diretor de Pré-Vendas da Tibco/Latam

 

 A exigência do mercado por tomada de decisões mais rápidas e eficazes tem criado um novo modelo de negócio digital capaz de oferecer novas maneiras de as empresas interagirem entre si e com seus clientes – e chegar lá é crucial para aquelas que desejam sobreviver e prosperar. O que diferencia os novos negócios digitais e o tradicional modelo de e-business é a integração dos processos, conectados e inteligentes, com pessoas e sistemas. A nova relação entre esses três atores está confundindo os mundos físico e digital com uma convergência sem precedentes e mudando as formas tradicionais de fazer negócios.

 

Para capitalizar sobre as novas oportunidades de negócio é necessário ir além dos modelos tradicionais de aplicação para uma arquitetura que forneça respostas instantâneas e que permita influenciar em uma transação em um curto espaço de tempo. Uma arquitetura centrada em big data em tempo real, na qual o primeiro ponto de acesso ao grande volume de dados é um barramento capaz de receber e identificar ações rapidamente, enquanto os dados estão ainda em movimento. Além disso, possibilitar a interação baseada em informações derivadas de análises avançadas, também em tempo real.

 

Diversos segmentos da indústria têm mostrado avanço, mesmo que modesto, na implementação desta nova arquitetura. Empresas que investem em equipamentos de capital de alto valor agregado, como energia, manufatura, mineração e bens e serviços, são bons exemplos, nos quais a instrumentação com sensores faz parte de uma rede que trabalha para fornecer algum resultado comercial. Consideremos uma turbina eólica com aproximadamente 2 mil sensores diferentes recebendo dados macros (potência, velocidade do rotor, etc.), internos (temperatura dos fluidos, velocidade das engrenagens, etc.) e ambientais (velocidade do vento e direção, pressão do ar, temperatura, etc.). A captura dos dados imediata baseada nessa rede de sensores e a correlação dos eventos históricos devem ser capazes de prover insights para uma tomada de decisão ágil, evitando qualquer falha na turbina, bem como a melhoria da sua performance – caso contrário, pode gerar um efeito negativo no desempenho geral de toda a rede.

 

Por meio das chamadas "tecnologias inteligentes", incluindo processamento de eventos e dispositivos de IoT (internet das coisas), tornou-se possível capturar, agregar e analisar dados históricos e em tempo real de qualquer variedade, volume e velocidade. Ou seja, consciência contextual e tomada de decisão instantânea tendo como premissa uma nova arquitetura são fatores primordiais para o novo modelo de negócio digital.


Publicidade