Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

Taxa de administração: vilã dos investimentos?


postado em 17/01/2020 04:00


Thamires Ferreira
Economista

Nos últimos meses, um assunto que estava quase esquecido pelos consumidores entrou em pauta, gerando inúmeras discussões pela internet e até fazendo com que grandes bancos reduzissem as absurdas taxas de administração que há anos são aplicadas em seus fundos de investimentos e de previdência privada. Mas, a propósito, a taxa de administração é mesmo uma vilã dos investimentos?

Vamos partir do princípio, entendendo o que é essa taxa e como ela é cobrada. A taxa de administração é a remuneração das gestoras de investimentos por todo o trabalho de pesquisa, análise, alocação, balanceamento e rebalanceamento de recursos financeiros dos seus clientes. Essa taxa também cobre os gastos com a custódia, auditoria e demais despesas operacionais para manter o dinheiro aplicado. Ela é anual, já definida no regulamento do fundo, e diluída em pagamentos diários.

E por que aplicar em fundos, se podemos investir diretamente nos ativos? Em casos de fundos de investimentos, a grande vantagem é que se pode ter uma diversificação muito maior, com pouco capital investido. Outra vantagem é que o gestor se ocupa full time em acompanhar os seus investimentos, contando com uma equipe profissional de gestão capaz de criar estratégias que seriam muito complexas para nós, pessoas físicas.

Outro aspecto é que, enquanto investidor profissional, o gestor do fundo tem acesso a investimentos que uma pessoa física não teria. Além disso, ele também pode ter acesso a informações exclusivas e taxas diferenciadas no mercado e poder de barganha, visto o volume no qual as gestoras operam. No caso da previdência privada, para se obter as vantagens fiscais que o produto oferece, somente investindo por meio dos fundos de previdência. Por exemplo, nenhum outro investimento pode proporcionar os mesmos benefícios obtidos com um PGBL. Mesmo que esteja isento de Imposto de Renda.

Sendo assim, a taxa de administração não é, por si só, uma grande vilã. Principalmente, considerando o fato de que toda a performance de todos os tipos de fundos – previdência privada e de investimentos – é divulgada já com a dedução da taxa de administração. Ou seja, quando o gestor de um fundo de investimento libera o quadro de rentabilidade, por determinação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e do Banco Central, a rentabilidade auferida já é descontada a administração.

Então, considerando um fundo de renda fixa, que tenha como benchmark o Certificado de Depósito Interbancário (CDI) – que é uma taxa que varia em torno da Selic (4,5% ao ano) –, com um rendimento a 105%, podemos avaliar que o mesmo rendeu líquido de taxa de administração 4,72% ao ano. Para fundos de renda fixa, é cobrado em média 1% de taxa de administração, visto que este tipo de fundo não gera custos tão altos em sua gestão.

A grande discussão em volta desse tipo de taxa surge porque alguns bancos vinham praticando taxas de administração tão altas que acabam por anular os ganhos dos clientes. Um exemplo é a cobrança de 5,5% ao ano em um fundo de renda fixa em que poderia ser cobrado 1% ou menos de taxa de administração.

Dessa forma, um fundo considerado bom, com uma taxa justa de administração, precisa entregar uma rentabilidade líquida ao menos acima do CDI (acima de 100%), ou seja, que supere os 4,5% ao ano, visto que essa é a taxa de juros oficial que temos hoje.


Publicidade