Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

Alimentação saudável contra a obesidade


postado em 18/10/2019 04:00

Rodrigo Barros
Administrador de empresas e CEO da Boali, maior rede de alimentação saudável do Brasil

Recente estudo divulgado pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) revelou que mais de um quinto da população brasileira está obesa. O relatório aponta que esse número chegou a 22,1% da população em 2016, aproximando o Brasil da taxa dos países ricos que formam o G20, grupo das nações que integram a maior economia do mundo. Só entre as crianças brasileiras, o número de obesos é de 11% e de pré-obesas, 17,2%. Já entre as mulheres adultas, o número salta para 25,4%, enquanto, para os homens, 18,5%. Tal levantamento usa como critério o cálculo do índice de massa corporal (IMC), uma equação que leva em conta o peso e a altura de cada indivíduo. Um IMC que varia entre 25 e 29,9 indica um sobrepeso; 30 aponta obesidade; e, acima de 35, é classificado como obesidade mórbida.

Os dados do estudo trazem, também, uma informação importante: pessoas de baixa renda e com menor nível educacional são as que apresentam maior tendência à obesidade, visto que o acesso a alimentação saudável torna-se cada vez mais difícil. As consequências vêm em cadeia, de nível econômico a social. O sobrepeso é uma grave ameaça à economia dos países, causando impactos significativos nos cofres públicos, que precisam arcar com os custos do tratamento de doenças como diabetes e problemas cardiovasculares decorrentes do excesso de peso. Para quem sofre desses males, o acompanhamento médico é imprescindível e, portanto, o sobrepeso será, também, causador de afastamentos no mercado de trabalho.

Se ir ao médico é vital, deixar o posto de trabalho com frequência será, para o negócio, bastante prejudicial. A instabilidade do colaborador reduz a possibilidade em continuar empregada, aumentando, em contrapartida, a taxa de desemprego. Se o desemprego assusta, é preciso colocar mais um fator nessa balança: as doenças decorrentes do excesso de peso precisam de medicamento para o controle efetivo, o que tende a provocar um desequilíbrio ainda maior nas finanças – seja ela da própria pessoa enferma ou do governo, que arca subsidiando as drogas. Para a OCDE, esse resultado pode ter um impacto negativo de 5,5% no PIB, entre 2020 e 2050, sendo que, neste mesmo período, a expectativa de vida dos brasileiros sofrerá uma redução em até três anos.

Diante desse quadro, é imperioso que o processo de universalização e o acesso à boa alimentação seja facilitado por empresas, governos e órgãos ligados à saúde pública. São intervenções necessárias e urgentes, que deve ter por objetivo quebrar paradigmas de mudança dos hábitos alimentares. Isso significa deixar de associar a comida saudável com algo ruim ou sem sabor – como a chocha e insossa salada de folhas. É preciso que o brasileiro conheça outros sabores, texturas e combinações; descubra temperos e vivencie experiências gastronômicas que unam o saboroso e o saudável. Mas, mais do que isso, que tenha acesso a “comida de verdade” por um valor acessível, compatível com a renda média do brasileiro.

A proposta de universalizar o acesso à alimentação saudável pode soar ampla e genérica, mas se refere a proporcionar ao brasileiro uma dieta equilibrada, composta por macros e micronutrientes essenciais ao bom funcionamento do organismo, como proteínas, fibras, vitaminas e minerais. Fazer o bem por meio da alimentação não é apenas deixá-lo magro, mas, sim, torná-lo capaz de exercer com facilidade suas funções sociais e, principalmente, econômicas. É, para governos e organizações, alterar a ordem de investimento: em vez de aportar no tratamento da doença, é direcionar à prevenção, priorizando a saúde. A mudança de hábito não é benéfica apenas para a pessoa, mas também para a saúde dos cofres públicos.
 


Publicidade